Por Ir. Afonso Murad Em Artigos

Maria do Perpétuo Socorro

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é uma devoção que foi trazida ao Brasil pelos redentoristas. A imagem original veio do oriente, talvez da ilha de Creta, e teria sido criada no século 15. Trata-se de uma pintura bem diferente dos nossos quadros ocidentais. Esse tipo de arte religiosa se chama “ícone”. Os mais conhecidos provem das igrejas de tradição grega e russa.

 

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro - RB2

Este estilo de ícone é chamado de “Mãe de Deus da Paixão”. Ele não representa um fato histórico, nem pretende simplesmente ser como uma fotografia. Ao contrário, apresenta muitos elementos simbólicos, que falam de Jesus, de Maria e de nós cristãos hoje. Os personagens são estilizados. O rosto de Maria parece sério demais para a nossa mente ocidental. Mas quer transmitir serenidade, sintonia com Deus e ternura.

O fundo dourado nos coloca o âmbito do sagrado. Maria e Jesus já estão no céu, glorificados. Como passaram por sofrimentos e dificuldades, eles nos ajudam a vencer as dores da existência humana. As roupas são típicas dos ícones orientais, que lembram mais as vestes litúrgicas do que as vestimentas da palestina naquele tempo. No centro, coloca-se Maria, que olha para nós, como se estivesse nos falando. Com a mão direita, segura a mão de Jesus e também aponta para ele. Tal gesto forte está baseado em outras representações nas quais Maria leva Jesus no colo e sinaliza: “ele é o caminho”. Reaviva também o convite em Caná: “façam o que ele lhes disser”.

Na parte superior do quadro, os anjos Gabriel e Miguel mostram os instrumentos da paixão. Um deles segura a cruz e o outro, a lança e a cana com a esponja ensopada de vinagre (cf. Jo 19,29). Diante desta cena, o menino se assusta e recorre à mãe. Uma de suas sandálias lhe cai do pé. No alto constam algumas letras gregas: “IC XC” são a abreviatura do nome “Jesus Cristo” e “MP ØY”, de “Mãe de Deus”. As letras abaixo dos anjos abreviam seus nomes.

Essa representação nos transmite uma bela mensagem. Maria é chamada do “perpétuo socorro” porque sempre está atenta para nos apoiar. Não nos deixa nunca. Muitas vezes, cada cristão se sente como o menino Jesus no quadro. Tem medo diante das ameaças reais. Perde até a sandália para caminhar em paz. E Maria segura firme na sua mão, dizendo-lhe: confie, meu filho. Eu estou com você. Siga em frente no caminho de Jesus, pois ele é o Caminho!

Assinatura Ir. Afonso Murad colunista

Escrito por
Ir. Afonso Murad miniatura
Ir. Afonso Murad

Professor de teologia, escritor e ambientalista. Autor de "Maria, toda de Deus e tão humana", Santuário e Paulinas.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.