Grão de Trigo

Dedicação da Basílica de Latrão

Escrito por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R.

07 NOV 2014 - 00H00 (Atualizada em 09 NOV 2020 - 15H15)

Basílica de Latrão

Basílica de Latrão

Shutterstock
Shutterstock

Basílica de LatrãoA liturgia no dia 09 de novembro nos surpreende com uma celebração curiosa. Em vez de fazer memória de um santo ou santa, comemora a consagração de uma igreja, a dedicação de um edifício destinado ao culto com o nome de basílica. É a Basílica de São João de Latrão. Inicialmente dedicada a Jesus Cristo com o título: o Santíssimo Salvador. No caso trata-se da sede do papa como bispo de Roma. Esta solenidade prevalece até sobre o domingo. A história dessa consagração nos leva ao século IV, ano 311-314. Com o fim das perseguições os cristãos respiraram aliviados, principalmente em Roma, a capital do império. Puderam construir igrejas e locais públicos de culto. A inauguração e bênção dessas igrejas era festiva. Era a consagração daquele edifício, como espaço sagrado de culto a Deus. E celebrava-se também a alegria da liberdade religiosa. Os cristãos tinham a sua “casa de oração” onde se reuniam conscientes de serem os membros vivos do Corpo de Cristo. Alegravam-se com a pertença à comunidade cristã visível.

 A basílica do Papa em Roma é considerada a igreja-mãe dos católicos. Após eleito, o papa toma posse de sua sé episcopal. Mas, esta festa litúrgica, a dedicação da basílica papal, superou o sentido meramente histórico. Tornou-se um símbolo da igreja-espiritual ou do seu mistério como Corpo de Cristo vivo e ressuscitado. Mais do que uma data celebramos a nossa unidade espiritual, o mistério de nossa comunhão em Cristo, o Senhor. Consagrados pelo nosso batismo nele, somos templos vivos de um Deus uno e trino. O texto de São João, lido hoje na missa, nos ajuda a compreender a realidade da nossa consagração batismal e da nossa pertença comum ao corpo de Cristo. Leia: João, 2,13-22.Leia MaisQual é a Catedral do Bispo de Roma?

O Templo em Jerusalém era o lugar mais sagrado dos judeus. Ali se renovava a Aliança dos 10 mandamentos através de sacrifícios de animais e aves, salmos, orações, louvores, festas. A grande festa da Páscoa relembrava a sua dedicação. Ao visitar o Templo numa Páscoa Jesus não gostou do que viu. Na verdade, o culto próprio da Lei de Moisés tinha se desvirtuado. Os interesses do dinheiro e do comércio se infiltraram nos atos religiosos e na organização do local. Os líderes e as autoridades religiosas criavam uma estrutura comercial lucrativa em volta dos sacrifícios de animais. Um verdadeiro mercado acabava explorando o povo a pretexto dos cultos. A maneira de observar as leis religiosas enriquecia as lideranças. Assim, a oração, o respeito ao local sagrado, a união com Deus não prevaleciam e não fundamentavam a consciência religiosa.

Jesus irou-se contra a degeneração do culto e com gestos enérgicos exigiu o respeito ao lugar enquanto “casa de oração”, memorial da aliança com Deus.

Indignado com a exploração e comércio em lugar do serviço a fé, Jesus insurgiu-se contra os abusos e purificou o local das deformações. Agiu com decisão, firmeza e sem pedir licença. Com um chicote expulsou vendedores, cambistas, animais e condenou a cobiça das classes sacerdotais. Ao cobrarem do Mestre quem o autorizara a agir daquele modo ele os desafiou: “Destruí este Templo e em três dias eu o levantarei”. Aqui está a mensagem central do episódio. A interpretação dos dirigentes, aparentes donos da “instituição religiosa”, foi ao pé da letra: era impossível reconstruir em três dias um edifício que demorara 46 anos para ser construído. De fato, o texto de João alerta que Jesus não só estava moralizando o Templo material, sanando o culto sujeito à ambição das elites. O texto nos explica: “Mais tarde, após a ressurreição os discípulos entenderam o desafio de Jesus: ele falava do templo do seu corpo” (v. 21s). Falava da sua ressurreição. Ela é o alicerce da construção de Deus em nós!

Qualquer celebração, rito, ato religioso da Igreja tem seu fundamento no mistério de Cristo Salvador, o ressuscitado que venceu o pecado e a morte. O espaço sagrado do culto em qualquer lugar nunca pode servir de pretexto para proveito pessoal ou busca de vantagens materiais. Nós católicos não vamos à igreja, não ajudamos as suas obras, não pagamos o dízimo para “comprar a salvação”. As festas religiosas nunca devem favorecer negócios e vantagens. Em relação a Deus não há lugar para esse tipo de culto.

Por Maria, a cheia da graça, dedicamo-nos a Jesus!

Maria revela relação profunda com Jesus. Seu papel no Evangelho é de Participação única no mistério pascal do Filho. Jesus ressuscitou como Senhor da sua Igreja-povo. O corpo crucificado de Jesus Cristo glorificado junto a Deus passou a ser para nós o “templo único e verdadeiro” do perdão, da graça e do amor divino. Nele somos a “igreja viva”, o “corpo do Senhor”. Esse mistério de Cristo e da Igreja tornou-se lugar concreto de início no “sim” de Maria a Deus aceitando a encarnação de Jesus. Maria foi a primeira igreja viva, o Templo sagrado plenificado da Graça do Filho do Altíssimo, acolhida por ela antes de todos os santificados. A união eclesial entre nós começou e está representada na unidade especial e única entre Maria e o Verbo. Ela foi comparada à Arca da Aliança. Quanto mais a veneramos mais nos identificaremos com seu Filho. Ela que se dedicou totalmente a Deus nos ajude a preservar a vida divina em nós e na sociedade e a fazer da vida um culto agradável a Ele.

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna, C.Ss.R., em Grão de Trigo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.