Por Pe. Leo Pessini Em Brasil Atualizada em 20 OUT 2017 - 08H47

Vamos falar sobre suicídio? Saiba como superar mitos, ter atenção aos sinais de alerta e ação preventiva

O suicídio é uma decisão individual, já que todos nós temos o livre arbítrio. É importante notar que as pessoas com comportamento suicida, portadoras de uma doença mental, que altera profundamente a sua percepção da realidade e de seus vínculos com os outros, o que interfere em seu “livre arbítrio”. Eticamente somente podemos responsabilizar alguém por algum ato, quanto este é executado com consciência e liberdade. Nestas situações de doença mental, são exatamente estes dois importante valores que se encontram totalmente comprometidos.

Shutterstock
Shutterstock

Quem vai tirar a própria vida, não deixa sinais. Em geral os sinais existem, ocorre que infelizmente, pessoas que estão convivendo com quem possui este transtorno mental, não percebem, não sabem interpretá-los ou valorizá-los. Porém, não é justo culpar por um suicídio. Alguns deles podem ser evitados, mas não todos. Em inúmeras vezes, os indícios só são descobertos e fazem sentido após a morte (bilhetes, mensagens, etc.).

Leia MaisO suicídio: superando os mitos, atenção aos sinais de alerta e ação preventivaSuicídio entre os profissionais da saúde é situação críticaSuicídio: um drama mundial e silenciado que clama aos céusSuicídio mata mais que câncer e AIDSEm termos de prevenção é importante prestar atenção aos sinais de alerta, ou seja, comportamentos que podem indicar plano de suicídio: Entre outros sinais de alerta elencamos: Falar em desejar morrer. Procurar formas de pôr um final a vida; Falar que perdeu completamente a esperança ou de não encontrar mais um proposito ou sentido de vida. Falar insistentemente sobre estar se sentindo preso ou sob uma dor insuportável. Falar com frequência em se sentir como um peso para outros. Aumento exagerado no uso de álcool e/ou drogas. Agir de modo ansioso, agitado ou irresponsável. Alterações no sono, dormir muito pouco ou demais. Isolar-se. Demonstrar raiva ou falar sobre vingança e apresentar alterações de humor extremas.

A depressão em adolescentes, existem sinais que podem indicar a presença da doença, entre outros elencamos: Mudanças marcantes na personalidade ou nos hábitos. O jovem apresenta piora no desempenho na escola, no trabalho e em outras atividades simples do dia a dia. Situações de afastamento da família e da roda de amigos. Perda de interesse em atividades em que se dedicava prazerosamente e gostava muito. Um surpreendente descuido com o cuidado de sua aparência. Perda ou ganho inusitado de peso. Pessimismo em relação ao futuro, desesperança generalizada com tudo e todos. Disforia marcante, isto é, combinação de tristeza, irritação e acessos de raiva. Comentários sobre morte, a respeito de pessoas falecidas e interesse por este tema. Desligamento das coisas e doação de pertences que valorizava, como que desprezando-os.

O que podemos fazer nestas situações? No mínimo não deixar a pessoa sozinha, mas ter sempre alguém junto. Afastar, tirar de perto armas de fogo, álcool, drogas, ou objetos cortantes. Em situações de crise procurar ajuda, ligando para canais de ajuda que existem na comunidade, tal como o Centro de Valorização da Vida- CVV (No. 141, via internet cvv.org.br atendimento 24 hs). E claro, ajudar para que a pessoa aceite o tratamento especializado de um profissional especialista em saúde mental (psiquiatra, psicólogo, psicanalista, e outros). O sofrimento somente quando ninguém cuida, afirma Cicely Saunders, medica inglesa fundadora do moderno Hospice/ cuidados paliativos.

Como percebemos sem cuidado, não existe possibilidade de vida. Este cuidado, no nível mínimo, significa o cultivo de uma boa auto estima conosco mesmos e uma relação saudável com os outros. Frente a um transtorno serio de saúde mental, com tendência suicida, aqui o cuidado tem que ser especializado, de um profissional competente e humano. Nossa solidariedade é fundamental para ajudar que a pessoa não se sinta só e abandonada justamente nesta hora.

Escrito por
Pe. Léo Pessini Currículo - Aquivo Pessoal (Arquivo Pessoal)
Pe. Leo Pessini

Professor, Pós doutorado em Bioética no Instituto de Bioética James Drane, da Universidade de Edinboro, Pensilvânia, USA, 2013-2014. Conferencista internacional com inúmeras obras publicadas no Brasil e no exterior. É religioso camiliano e atual Superior Geral dos Camilianos.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.