Por Ir. João Antônio Johas Leão Em Espiritualidade

Beata Albertina: uma vida que vale a pena viver

Foto de: reprodução

Beata Albertina Berkenbrock, Virgem e Mártir

Beata Albertina Berkenbrock foi
intercessora da JMJ RIO 2013.

Albertina Berkenbrock nasceu em 1919, no município de Imaruí, em Santa Catarina, pertencente a diocese de Tubarão e participante da comunidade São Luiz. Ela viveu pouco, apenas 12 anos, mas nesse pequeno espaço de tempo conseguiu mostrar como Deus pode inflamar de tal maneira um coração bem disposto, a ponto de que ele seja capaz inclusive de entregar a própria vida antes de ofender esse amor que o toma por inteiro. Por sua fidelidade até o extremo, foi beatificada no ano de 2007, pelo Papa Bento XVI e continua sendo um sinal de Deus para a Igreja no Brasil.

A história de seu assassinato (conheça mais sobre a história de seu martírio) faz lembrar a vida de outros santos que também passaram por uma situação semelhante, ou que também foram capazes de abraçar o amor de Deus com sinceridade nos seus primeiros anos de vida. Maria Goretti, por exemplo, também morreu ao resistir uma tentativa de violação, aos 11 anos de idade. São Domingos Sávio não morreu assassinado dessa forma, mas entre suas resoluções de primeira comunhão podemos ver uma que ilumina a atitude dessas duas meninas e com certeza a sua própria durante os 15 anos que teve de vida aqui na Terra: “Antes morrer que pecar”.

Me parece que isso é o mais impressionante que esses santos têm em comum. Conseguiram em tão pouco tempo abrir-se a Graça de Deus que inundou seus corações. Faz lembrar daquela passagem do Evangelho sobre o semeador que semeia em vários tipos de terra. Eles foram, com certeza, terra boa, onde a semente da Palavra de Deus caiu, cresceu, não sem dificuldades, e deu muitos frutos. Finalmente, cada um deles tornou-se um desses grãos de trigo que morre e dá mais fruto ainda. Assim aconteceu com os mártires dos primeiros séculos e continua acontecendo com todos os que ainda hoje dão a vida pela fé.

 

"Hoje em dia a juventude parece muitas vezes longe desse ideal. Deus parece estar perdendo cada vez mais espaço nesses corações". 

Hoje em dia a juventude parece muitas vezes longe desse ideal. Deus parece estar perdendo cada vez mais espaço nesses corações. Tudo em nome de uma suposta liberdade e autonomia, de um desejo autêntico de realização e felicidade, mas será que ela está procurando no lugar correto? Quanto mais buscam a si mesmos e se tornam independentes, mais parecem se frustrar. A felicidade para qual o nosso coração está feito somente encontramos quando nos entregamos sinceramente a Deus e aos demais.

E é exatamente isso que a Beata Albertina nos mostra com sua vida e com sua entrega até o extremo. Uma vida que vale a pena ser vivida e pela qual vale a pena entregar tudo. Atualmente está ficando cada vez mais difícil ver um compromisso verdadeiro e duradouro na juventude. Vemos relações que estão cada vez mais efêmeras, uma cultura do descartável que já não se restringe mais as coisas, mas que se estende às pessoas, poderíamos dizer, “coisificando-as”. É, em parte, compreensível, porque se por um lado o mundo oferece muitas possibilidades, por outro ele não consegue oferecer a única que realmente pode responder ao coração do jovem, que é um amor infinito, só “disponível” em Deus.

Estamos todos buscando uma vida pela qual vale a pena viver e morrer? Quando encontramos aquela pessoa amada, por exemplo, experimentamos que somos capazes de tudo por ela. Queremos nos entregar totalmente e isso não tira a nossa liberdade, pelo contrário, parece que essa é a única maneira de ser livre e feliz. Em Jesus, Albertina encontrou essa pessoa amada. E cada um de nós podemos também viver desse amor de Deus. Ele quer transformar o nosso coração, assim como transformou o da nossa Beata. Que possamos abrir-nos mais a Ele, que é quem realmente pode nos fazer feliz.

Oração à Beata Albertina

Deus, Pai de todos nós! Vós nos destes vosso Filho Jesus, que derramou seu sangue na cruz por amor a cada um de nós. Vossa serva Albertina foi declarada beata pela Igreja, porque, ainda jovem, também derramou seu sangue para ser fiel à vossa vontade e defender a vida em plenitude.Concedei-nos que, por seu testemunho, nos tornemos fortes na fé, no amor e na esperança, vivamos fielmente os compromissos do nosso Batismo, façamos da Eucaristia a fonte e o cume da nossa vida cristã, busquemos continuamente o perdão através da confissão, sejamos plenos do Espírito Santo, vivenciando a Crisma, e cultivemos os valores do Evangelho. Por intercessão de Albertina, alcançai-nos a graça que neste momento imploramos de vós (expressar a graça que se deseja). Nós vo-lo pedimos por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

João colunista assinatura

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Ir. João Antônio Johas Leão, em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.