Por Redentoristas Em Notícias Atualizada em 27 MAI 2020 - 10H56

Beato redentorista ficou “confinado” com leprosos durante 27 anos

Vivemos em confinamento há algumas semanas como nunca experimentamos antes em nível mundial. Alguns países já estão experimentando uma "fase 2"; algumas pessoas estão enfrentando a situação como sendo pior do que a da década de 1940. 75 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, a "liberdade" está adquirindo um novo significado e uma grande incerteza sobre o futuro reina em toda parte.

Nesse momento, podemos lembrar a vida do beato redentorista, Pedro Donders que doou sua vida aos irmãos leprosos da Batávia, no Suriname. 

Reprodução
Reprodução
Beato Pedro Donders é um missionário redentorista que deu sua vida pelo povo do Suriname.



Um fato ocorrido nesse país, um pouco antes de Donders chegar naquelas terras, foi chamado de
"o  grande confinamento". O termo se deve à separação das pessoas que tinham hanseníase em uma colônia em Voorzorg, em 1812. Na época, cerca de um por cento da população foi fechada em um leprosário. 

Nos últimos meses, quase todos nós, doentes do vírus, presumivelmente doentes do vírus, saudáveis, experimentamos um "confinamento", muitas vezes imposto pelo Estado, confinamento mais ou menos rígido, de maior ou menor duração, sozinho ou em grupo, na companhia de terceiros, mas que, em qualquer caso, foi ou será apenas temporário.

Para os leprosos no Suriname, o isolamento significou até 1946: ficar trancado até a morte, porque não havia cura para aqueles que sofriam de hanseníase. Eles não tinham esperança de voltar a uma "normalidade" de qualquer espécie.

O confinamento dos leprosos não foi apenas deportação forçada. Isso também teve consequências ainda mais graves: significava a separação da família, uma dieta pobre: ​​quem não podia mais produzir sua própria comida dependia do que as autoridades lhe davam - e às vezes ele precisava lutar para conseguir uma parte disso porque não havia o suficiente para todos.

Cuidar dos leprosos não era visto como um dever, mas como um castigo.

O abençoado Pedro Donders compartilhou voluntariamente a vida dos leprosos por 27 anos - sem ser infectado.

Isso foi apontado durante um exame paleopatológico baseado no DNA, concluído em 2017, que indica que nenhuma infecção foi detectada no corpo do beato. 

Reprodução.
Reprodução.
Pedro Donders nunca hesitou em sua missão junto aos leprosos.



Eu pensei nisso com frequência nas últimas semanas. Pedro Donders nunca desejou um retorno a uma "normalidade". E
nossa “normalidade” será por muito tempo uma normalidade diferente da normalidade anterior a 2020. Além da economia, a liberdade pessoal, o espaço, o uso do espaço, mas também a proximidade e o afeto, precisam ser repensados. Esperar pela normalidade do passado será uma utopia, e provavelmente também não é desejável.

O confinamento imposto a nós é temporário, temos um futuro, a grande maioria dos infectados se recuperará - apesar da falta de remédios, graças ao esforço das equipes médicas. 

Que o exemplo do beato Pedro Donders nos inspire não apenas a esperar um futuro melhor, mas a praticar a moderação, o controle, a limitar-nos um pouco, voluntariamente, quando necessário e desejável, e que quando tivermos permissão para deixar nossas casas novamente, teremos refletido e mudado - em prol da saúde de outras pessoas e da nossa, para impedir uma segunda onda da pandemia, em prol de um futuro novo, mais equitativo e sustentável!

Claudia Peters
Vice-postuladora Causa do Beato Pedro Donders C.Ss.R.
vicepostulator@peerkedonders.nl


Fonte: Tradução site CSSR News com adaptações.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redentoristas, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.