Por Marília Ribeiro Em Notícias Atualizada em 08 SET 2017 - 08H21

Santuário de Aparecida recebe mais uma edição do Grito dos Excluídos

grito dos excluídos 2017O Santuário de Aparecida recebeu no dia 7 de setembro, mais uma edição do 23º Grito dos Excluídos e a 30º Romaria das Trabalhadoras e Trabalhadores.  A programação do Grito e da Romaria teve início às 6h30 no Porto Itaguassú, local do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida.  O grande momento do Grito foi realizado às 10h na Tribuna Bento XVI, seguido da santa missa no Altar Central às 11h, presidida por Dom Reginaldo Andrietta, bispo de Jales (SP) – referencial da Pastoral Operária.

Com o lema “Por direitos e democracia a luta é todo dia” o Grito dos Excluídos desse ano, teve o objetivo de levar as pessoas a refletirem sobre os direitos e as lutas diárias dos brasileiros, como explica um dos coordenadores do Grito, Ari Alberti.

“A ação marcada para esse dia 7 de setembro tem o propósito de ajudar as pessoas a refletirem sobre o que é essa independência, os seus direitos, sobre o sistema em que vivemos,” complementando Ari afirma, “A gente não acha que o Grito vai salvar a Pátria, a gente quer ser mais um elemento que ajude a sociedade brasileira avançar na consciência dos seus direitos.”

30º romaria das trabalhadoras e trabalhadores

De acordo com a coordenação, os assuntos abordados na campanha do Grito são trabalhados durante todo o ano em debates e rodas de conversas, conduzidos pelas pastorais, movimentos, sindicatos e organizações, para então, culminar em manifestações populares pelo Brasil, no Dia da Independência.

O Grito dos Excluídos acontece no Santuário Nacional em conjunto com a Romaria dos Trabalhadores, que traz para reflexão o tema “30 anos de resistência e ação, anunciando a esperança, combatendo a exploração”, destacando no cartaz de divulgação, a imagem de Nossa Senhora Aparecida.

“São 300 anos de presença da força da imagem de uma mulher negra, representando a força não só da mulher mais do povo... o objetivo é lembrar a importância de resgatar o povo, a mulher, de refletir sobre as questões do negro, do pobre, das pessoas que muitas vezes são excluídas,” esclarece Antônia Carrara, da Pastoral Operária e coordenação da Romaria dos Trabalhadores.




2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Marília Ribeiro, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.