Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R Em Notícias

Homilia da S. de São Pedro e São Paulo

Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R

“São Pedro e são Paulo”

 

A chave e a espada

As imagens e pinturas dos apóstolos não retratam suas características humanas que mostrassem como teriam sido. Nós os identificamos por um símbolo que trazem. Pedro traz a chaves. Paulo tem a espada e o livro. Cada apóstolo tem seu símbolo. Estes símbolos lembram sua missão ou seu martírio. Celebrando S. Pedro e S. Paulo juntos, lembramos a mesma missão realizada em dois mundos diferentes como rezamos no prefácio da Missa: “Pedro, o primeiro a proclamar a fé, fundou a Igreja primitiva sobre a herança de Israel. Paulo, mestre e doutor das nações, anunciou-lhes o evangelho da Salvação”.

 

 

 

Pedro evangelizou os judeus e Paulo os pagãos. Sofreram o martírio em Roma, de modos diferentes: Pedro foi crucificado. Paulo, por ter direitos de romano, foi decapitado, nos mesmos dias. Unidos na missão, unidos no testemunho final. Unidos na celebração. A Igreja celebra-os com grande júbilo, também popularmente, pois os dois apóstolos nos deram as primícias da fé (oração).

 

São eles nossa ligação imediata com o Senhor Jesus Ressuscitado do qual foram testemunhas. Quando lembramos o símbolo de Pedro, as chaves, pensamos mais em sua missão de fechar para conservar. Papa Francisco disse: "Prefiro uma Igreja acidentada por sair, do que uma doente por fechar-se”. A ordem é ir adiante. Foi justamente isso que fez Pedro e também Paulo de ir avante com a Palavra, defendendo os direitos de todos poderem crer em Jesus na liberdade. Eles batalharam muito pelo evangelho.

 

Quem encontra Jesus não consegue ficar calado, com a Boa Nova só para si. Seu ardor missionário vem de sua fé incondicional. O evangelho mostra a profissão de fé que está no centro do texto do evangelho. Pedro esteve presente a todos os momentos de Jesus até à profissão de amor (Jo 21,17): “Tu sabes tudo, sabes também que te amo”, mesmo na fragilidade. A fé é um ato de amor. Paulo diz: “Guardei a fé”. Essa lhe foi tudo, a ponto de se tornar um com Cristo: “Não sou em que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20).

O Senhor esteve a meu lado

Em seus momentos de dificuldade puderam sentir e proclamar a presença de Cristo a seu lado. Não o livrou do sofrimento, mas o preservou até mesmo o livrou da boca do leão. Tudo para que a mensagem fosse anunciada integralmente e ouvida por todas as nações. (2Tm 4,17). Presença é assegurada a todo aquele que crê. A fé os conduz a atitudes de fortaleza, constância e uma criatividade espiritual acima de todo limite. Levam a mensagem do evangelho como fruto de uma decisão de vida por Cristo. Não têm outros interesses. Esses homens tiveram que romper com um passado judaico que eles amavam.

 

 

Uma missão que continua

 

 

Rezamos a Deus, na liturgia de hoje, pedindo que Deus nos conceda “seguir os ensinamentos destes apóstolos que nos deram as primícias da fé” (Oração). Seu ensinamento conduziu a outros para a mesma missão. Como eles se puseram a serviço da palavra, convidam-nos também a levar adiante esta missão.

 

Pedro e Paulo não são homens a serem admirados, mas imitados e continuados no serviço da Palavra, das comunidades para que Cristo seja tudo em todos (Cl 3,11). Rezamos pedindo para “continuar vivendo de tal modo na vossa Igreja, que perseverando na fração do pão e na doutrina dos apóstolos, e enraizados no vosso amor sejamos um só coração e uma só alma” (Pós comunhão). Os dois congregaram a única família de Cristo, unidos pela coroa do Martírio recebem igual veneração.

Leituras: Atos 12,1-11; Salmo 33; 2Timóteo 4,6-8.17-18 Mateus 16,13-19

 

Ficha nº 1244 - Homilia da S. de São Pedro e S. Paulo (30.06.13)

 

 

A representação dos apóstolos se faz a partir de um símbolo e não de uma imagem figurativa. Pedro e Paulo são indicados pelas chaves e pela espada. São símbolos de sua missão: Pedro proclama a fé aos judeus, e Paulo aos pagãos. Unidos na missão e no testemunho. As chaves de Pedro abrem para ir adiante. A espada de Paulo é sua batalha pela fé. Seu ardor se baseia na fé incondicional. Eles unem a fé ao grande amor a Cristo.

 

 

Em seu ministério sentiram sempre a presença de Cristo a seu lado livrando do sofrimento e preservando. Tudo para que a mensagem fosse anunciada integralmente. Esta presença é assegurada a todo aquele que crê. A força está em sua decisão por Cristo. Souberam romper para crescer.

 

 

Pedimos a Deus para seguir os passos desses dois apóstolos. Continuamos sua missão no serviço da Palavra e das comunidades. Não basta admirar, é preciso continuar.

           

Segredo do cofre

 

 

Hoje é uma festa das grandes, pois temos dois grandes comemorados: São Pedro e S. Paulo. Os dois, por meios diferentes, congregaram a única família de Cristo. Os dois dedicaram sua vida a Cristo e a seu Evangelho. Os dois deram a vida por Cristo.

 

Jesus esteve sempre a seu lado, libertando. Os dois apóstolos foram fortes no anúncio de Jesus. Paulo diz: Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Pedro é firme ao dizer: “Tu és o Messias, o Filho do Deus Vivo”! E falou como uma palavra de Deus.

 

 

O segredo destes homens é sua fé em Jesus pelo qual batalham, pelo qual vivem e pelo qual dão a vida. Por isso podemos estar seguros que a Igreja, construída sobre bases tão firmes, nem o Inferno, com todos os capetas juntos, não poderão vencê-la.

 

Vale a pena crer em Jesus. Pedro e Paulo o provam. É ter o segredo do cofre.

           

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, C.Ss.R, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.