Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR Em Notícias

Homilia do 12º Domingo Comum

Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR

O Senhor esteve comigo”

Declarar-se pelo Senhor

Terminado o Tempo Pascal voltamos ao Tempo Comum. Temos duas fases deste Tempo: Após o Natal até à Quaresma e depois da Páscoa até ao Advento. É o equilíbrio da celebração do Mistério de Cristo que tem momentos fortes e momentos menos festivos.

Foto de: A12

homilia

Nesse tempo não se celebra um aspecto particular da vida de Cristo, mas nos introduz em todo seu mistério através da leitura do Evangelho. Nesse 12º domingo Jesus ensina que Ele próprio passou pela a perseguição do justo, fruto do pecado do mundo e tem confiança no Pai.

Torna-se, por seu sofrimento, causa de Salvação abundante, muito maior que o mal provocado por Adão como escreve Paulo aos Romanos: “A transgressão de um só levou a multidão humana à morte, mas foi de modo bem superior que a graça de Deus, ou seja, o dom gratuito concedido através de um só homem, Jesus Cristo, se derramou em abundância sobre todos” (Rm 5,15).

Devemos ter absoluta certeza que a graça de Deus em Cristo para a salvação de todos é maior, mais poderosa e mais eficiente que a força do mal. Não se trata de força ou de luta entre bem e mal, mas do dom da Graça benevolente de Cristo que é oferecida a todos.

Quem acolhe Cristo e sua Palavra, é acolhido por Cristo que o garante junto do Pai. Quem conhece Cristo participa de sua missão de anúncio. Quem O conhece, proclama sobre os telhados. Declarar-se pelo Senhor não é uma opção a mais, mas a opção que penetra nossas escolhas, mesmo que elas nos custem a rejeição dos inimigos da cruz (Fl 3,18). É a opção fundamental. Sem ela a fé não se desenvolve.

Onda de pecado

O mistério do Mal nos cerca. Os mistérios não são ocultos ou inacessíveis, e sim, abertos a uma compreensão sempre maior como o mistério da Trindade Santa. Aprendemos para viver melhor e, vivendo melhor, aprendemos mais. Mesmo tendo a Graça em nós, temos a tentação.

Estamos envolvidos desde o início da humanidade em uma onda de mal que chamamos pecado original. Original não porque esteja na origem, mas porque é origem de todos os males. Paulo diz: “O pecado entrou no mundo por um só homem” (Rm 5,12). Como aconteceu, não sabemos. Sabemos que penetra onde lhe abrimos a porta.

Temos a tendência ao mal que domina e tem força quando lhe damos espaço. O mal é opção pessoal. Deus não disputa com o mal, com risco de perder. Não há um dualismo de bem e mal que lutam para dominar. Como o mal é uma escolha, rejeita Deus e o que é de Deus.

Aqui entendemos essa permanente rejeição e perseguição a Cristo e aos seus seguidores. É fruto do maligno. A onda do pecado original cresce com os pecados pessoais. À medida que vencemos o mal optando pelo bem, as realidades se transformam e vivemos o Reino de Deus e sua justiça.

Não tenhais medo

Temos a missão de anunciar o que ouvimos ao pé do ouvido. Isso pode custar caro, como nos narra o Profeta Jeremias. Os profetas são sempre perseguidos e até mortos. Uma coisa não podemos esquecer, como rezamos no salmo 68: “Por vossa causa é que sofri tantos insultos”.

E o profeta diz: “Eu ouvi as injúrias de tantos homens e os vi espalhando medo ao meu redor” (Jr 20,10). Jesus alerta ao que ter medo: “Não tenhais medo dos que matam o corpo mas não podem matar a alma. Pelo contrário, temei aquele que pode destruir a alma e o corpo no Inferno” (Mt 10,28).

O que nos conforta é que o Senhor não nos abandona. Jeremias diz: “O Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro” (Jr 20,11).

Leituras: Jeremias 20,10-13;Salmo 68; Romanos 5,12-15;Mateus 10,26-33 Ficha nº 1348 - Homilia do 12º Domingo Comum (22.06.14)

1. Retomamos o Tempo Comum que nos introduz no Mistério de Cristo. Hoje refletimos a perseguição do justo e a confiança em Deus. O sofrimento é fruto do pecado original. Mas a Graça abundante da Redenção é maior. Temos confiança na Graça. Se acolhermos Cristo, Ele nos garantirá diante do Pai. A escolha penetra todas as nossas escolhas de vida.

2. Desde a origem da humanidade o mal nos cerca. É o pecado original. Veio por um homem, Adão (linguagem da Escritura), mas a graça muito maior que o mal, veio por Jesus Cristo. O mal tem força porque lhe damos espaço. O mal cresce com nossos pecados pessoais. Vencendo o mal vivemos a justiça do Reino.

3. Temos a missão de anunciar e isso vai nos custar perseguição. Jesus manda não ter medo dos que matam o corpo, mas dos que matam a alma. O Senhor não nos abandona.

Fofoqueiro por profissão

Fofoca é uma desgraça que destrói as pessoas. Mas a fofoca boa, que leva aos outros as boas notícias, constrói e sustenta as pessoas. Por isso que Jesus diz que o que a gente escutou Dele ao pé do ouvido deve ser dito na luz do dia e proclamado sobre os telhados.

Os discípulos receberam isso como uma missão. Jesus vai contar ao Pai sobre aqueles que falam Dele. Aí é uma fofoca fica muito boa. Deus toma conta de nós com muito cuidado e carinho. Paulo ensina que se o pecado de Adão passou a todos e foi uma desgraça, a Graça derramada sobre nós foi abundante.

Não devemos ter medo de nada. Mesmo que passemos dificuldades, como passou Jesus, podemos ter certeza que Ele está sempre ao nosso lado. Ser cristão não é fácil, pois passamos pelo que Jesus passou. Com Ele nós vencemos.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Padre Luiz Carlos de Oliveira, CSsR, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.