Por Pe. Luiz Carlos de Oliveira Em Notícias

Homilia do 21º Domingo Comum

Salvação aberta a todos

 

Entrando pela porta estreita

 

 

Legenda da foto

A celebração de hoje é um convite a viver com autenticidade. Em Sua caminhada a Jerusalém Jesus responde à pergunta: “São poucos os que se salvam?” Responde que se deve entrar pela porta estreita. Muitos tentarão e não vão conseguir. Não se trata de dureza ou dificuldade, mas de autenticidade. Há uma só porta para entrar no Reino. Jesus mostrou esta porta: “Eu sou a porta das ovelhas... quem entrar por mim será salvo. Entrará e sairá e encontrará pastagem” (Jo 10,7.9). Esta pastagem simbólica é o banquete do Reino. Diz também que muitos ficarão de fora e começarão a dizer que sempre estiveram com Ele. Por que não os conhece? Porque não basta estar com Ele, é preciso viver sua Palavra e ter uma fé coerente.

A prática religiosa superficial não é suficiente para a salvação, pois procuramos outros fundamentos para a vida fora a fé. Procuramos ideologias, comodidades e opiniões cômodas que criam em nós a raiz do pecado. Vemos como se praticam tantos erros e colocam sobre eles uma capa de uma religião que não incomoda nem exige mudanças que ferem o egoísmo. A fé em Jesus cobra conversão e coerência de vida com a Palavra de Deus. Por isso diz: Muitos virão de longe para o banquete da vida, enquanto muitos ficarão fora: Os últimos serão os primeiros. Os que vieram de longe são os pagãos que creram e viveram. A porta estreita é Jesus. Todo aquele que pratica o Evangelho passa pela porta porque vive já no Reino de Deus. Os que ficam fora são os que têm uma fachada religiosa, mas não vivem o Evangelho. São piedosos, mas não convertidos a Cristo.

Revisando nossa vida

A Igreja como um todo, e cada um pessoalmente, necessita de uma contínua revisão e conversão para que sempre mais apareçam desenhados em nossa vida e em nossas pessoas, os traços de Jesus Cristo. Por isso necessitamos de correção, como nos ensina a Carta aos Hebreus (12,5-13).

Correção não significa castigo, mas chamada a tomar cuidado com os atalhos que desviam do caminho. Está escrito: “O Senhor corrige aquele que ama. Endireitai os caminhos para que não se extravie o que é manco, mas seja curado” (Hb 12.10.12). Os mandamentos não são proibições, mas indicações dos melhores caminhos para passar pela Porta. O medo da correção e da conversão é causado pela exigência de mudar de vida. Os defeitos e vícios criam raízes. É preciso cortar fundo. Rezamos nesta Eucaristia: Tornai-nos fervorosos e “transformai-nos com vossa graça”. Assim poderemos participar do banquete aberto a todos entrando pela porta que é Jesus.

Há últimos serão os primeiros         

Somos rápidos em colocar medidas aos outros e lentos em aplicá-las a nós. Exigimos dos outros o que pouco cobramos de nós. Jesus disse certa vez que vemos o cisco no olho do irmão e não vemos a trave que está diante de nossos olhos (Mt 7,3-4). Corremos o risco de fazer uma religião de fachada. Na Igreja há sempre pessoas que são novos convertidos que tem muita boa vontade. Ou há pessoas que vem de outras comunidades. Encontram rejeição dos que mandam nas comunidades. Isaías diz virão outros de longe (Is 66.20-21). A oração da missa pede para “fixarmos os corações onde se encontram as verdadeiras alegrias” (Oração). Celebramos o dia dos catequistas e dos leigos. A coerência de vida é melhor escola. É preciso não ensinar uma religião de fachada, só de atos externos sem uma opção por Jesus.

Leituras: Isaias 66,18-21; Salmo 116; Hebreus 12,5-7.11-13;Lucas 13,22-30.

 

Ficha nº 1260 - Homilia do 21º Domingo Comum (25.08.13)

 

  1. São poucos os que se salvam? Jesus responde que se deve entrar pela porta estreita. Esta porta é Jesus. Ele é a passagem para o Pai. Para passar por Jesus temos que viver Sua Palavra e ter uma fé coerente, sem ideologias, sem comodidades. A prática religiosa superficial não é suficiente para a salvação. A fé em Jesus cobra conversão e coerência de vida. Todo aquele que pratica o Evangelho passa pela porta.

 

  1. A Igreja e cada um necessitam de revisão e conversão para que apareçam desenhados em nossa vida os traços de Jesus. Por isso necessitamos de correção. Corrigir não é castigo, mas chamar a atenção para o caminho. Os mandamentos são boas indicações. Sair dos vícios exige mudança.

 

  1. Gostamos de colocar médias aos outros e não as aplicamos a nós. Corremos o risco de uma religião de fachada. Há na Igreja os convertidos e os que vem de fora com muita boa vontade. Encontram rejeição nas comunidades. Jesus afirma que alguns ficarão de fora e os de longe entrarão.

Aprenda emagrecer

Perguntaram a Jesus se eram muitos os que se salvavam. Respondeu: “Fazei todo esforço para passar pela porta estreita, pois muitos tentarão e não conseguirão”. Depois ficarão batendo na porta. E Jesus não abre porque não sabe quem são. E foi gente que esteve com ele. Mas outros, vindos de longe, entrarão.

Que porta estreita é essa? Não se trata de uma gordura física, nem dos sofrimentos passados por Jesus, ou de uma religião apertada, exigente. Ele diz: “Eu sou a porta. Quem entra por mim, será salvo” (Jo 10,9).

Quem são os que não conseguirão? Os que viveram com Jesus e não assumiram, ficarão fora. “Virão outros de longe assentar-se à mesa do Reino” (Lc 13,29). Não basta saber sobre Jesus, é preciso viver Jesus.

A fé não é uma ideologia sobre Jesus, nosso pensamento sobre Ele, mas o pensamento de Jesus em nós.

 

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Luiz Carlos de Oliveira, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.