Por Polyana Gonzaga Em Notícias

Sacramento da reconciliação: Deus é rico em misericórdia

Todo o cristão precisa sempre manter a sua fidelidade em responder ao projeto de Deus.

Uma das maneiras de se aproximar de Deus é confessar-se ao menos uma vez por ano, conforme nos pede o segundo mandamento da Lei da Igreja.

Desta forma, iluminados pela fé recebida em nosso batismo, nos esforçamos para encontrar caminhos para chegar a conversão. Este também é um momento de reconciliação, pois desta forma os cristãos podem receber a graça do perdão.

O Prefeito de Igreja do Santuário Nacional de Aparecida, padre Valdivino Guimaraes afirmou que este é um sacramento muito importante para os fiéis, pois através dele nós nos reconciliamos com Deus. “A confissão é um momento sagrado em que nós podemos, por meio do sacerdote, contemplar o sacramento da reconciliação. Este é um momento em que nós podemos nos reconciliar com Deus recebendo o seu perdão”, afirmou.

Padre Valdivino ressaltou que, neste tempo da quaresma, nós precisamos nos preparar para contemplar o Cristo que vai ressuscitar, por meio das celebrações, da santa Eucaristia e também por meio dos sacramentos. Padre Valdivino afirmou que no Santuário Nacional de Aparecida existe um grande cuidado em atender aos fiéis que procuram este sacramento.

“Estamos sempre de prontidão para acolher o povo de Deus que vem ao Santuário Nacional para receber o sacramento da confissão, tendo em vista que o nosso fundador da Congregação do Santíssimo Redentor, Santo Afonso Maria de Ligório, patrono dos confessores, aconselhava a agir com misericórdia no confessionário, a exemplo de Jesus Cristo”, afirmou.

Confissão comunitária e confissão individualPadre Valdivino nos explica que a confissão comunitária e a confissão individual tem o mesmo valor.“A Igreja permite a confissão comunitária quando recebemos muitos peregrinos para serem atendidos em confissão, mas não temos um número suficiente de sacerdotes. Desta forma, devemos buscar como alternativa a confissão comunitária, como muitos padres fazem em suas paróquias”.

Segundo o Missionário Redentorista, a Igreja pede que todos, inclusive os sacerdotes, possamos receber o sacramento da reconciliação pelo menos uma vez ao ano. O penitente pode procurar o sacerdote no momento em que ele sentir necessidade. Fiéis rezam na Capela das Confissões do Santuário Nacional de Aparecida.Alguns aspectos desse sacramento. Alguns nomes desse sacramento são: sacramento da Conversão (o que se busca ao confessar-se é atender o convite de Jesus à conversão), sacramento da Penitência (esforço que fazemos para ajudar-nos a reparar os pecados cometidos e fortalecer-nos para a luta), sacramento da Confissão (porque confessar os pecados é elemento essencial desse sacramento), sacramento do Perdão (porque através dele recebemos o perdão e a paz) e finalmente sacramento da Reconciliação (porque manifesta ao pecador o amor de Deus que reconcilia).

Os passos para uma boa confissão são os seguintes: exame de consciência, arrependimento de ter pecado (contrição), confissão dos pecados e a decisão de não pecar mais (esse é o sentido da penitência pedida pelo sacerdote). Ao confessar-se é muito importante que sejam ditos todos os pecados que lembrarmos no momento, especialmente os mortais. Se esquecermos de algum pecado, não tem problema, pois Deus perdoa todos os pecados. Porém, se conscientemente ocultarmos alguma falta grave, a confissão não é plena: é como irmos ao médico querendo ficar curado e ocultarmos um dos sintomas. A confissão das faltas leves também é altamente recomendável, pois nos ajuda a tomarmos mais consciência de nossa condição de pecadores, buscando assim cada dia ser mais semelhante a Cristo.Os ministros desse sacramento são os bispos e seus sucessores e os presbíteros. Cristo deu o poder de perdoar os pecados apenas a eles. Eles têm missão, apesar de sua condição de pecadores, de serem transmissores da misericórdia de Deus. A graça de Deus adquire uma força maior quando é transmitida por vasos de barro.

Ao recebermos o sacramento, somos reconciliados nos quatro níveis de relação: com Deus, comigo mesmo, com meus irmãos (e por conseqüência com a Igreja) e com a criação.Uma prática muito recomendável para obter a misericórdia de Deus para com os nossos irmãos e irmãs que partiram para uma nova vida é a indulgência. Acolhamos o dom da reconciliação, acompanhados por Maria, a mãe da misericórdia Maria como ninguém, quer que todos acolham o amor do seu Filho. Ela é, como rezamos na Salve Rainha, a Mãe da misericórdia. Com Maria, nenhum pecador está perdido. Um dos últimos recursos que tem o pecador é a Ave Maria. Acolhamos o dom da reconciliação, guiados por Nossa Mãe Aparecida, confiantes de que Deus sempre acolhe o seu filho pródigo.

Para aprofundar nesse sacramento:- Catecismo da Igreja Católica: 1422-1498- Beato João Paulo II, Encíclica Dives in misericórdia (sobre a Misericórdia Divina)

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Polyana Gonzaga, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.