Artigos

Hoje Nasceu Maria

Escrito por Academia Marial

06 SET 2023 - 16H30 (Atualizada em 11 SET 2023 - 08H52)

Shutterstock

“Tu és mais preciosa que toda a criação”
(São João Damasceno)

A porta da salvação que fora tecida no ventre de Ana nasce para o mundo. Por tempos chorávamos a nossa condenação, a humanidade decaída bebia da queda dos nossos pais, perdidos, chorosos e ansiosos esperávamos a vinda do nosso Salvador que nos fora prometido no Gênesis da humanidade (Gn 3,15).

De onde viria, pois este Senhor? Que caminho tomaria Deus para nos resgatar? Disse Isaías que viria de uma virgem, Mas quem teria a dignidade de trazer Deus no ventre?

Aqueles que nos antecederam na fé confiavam na realização da grande promessa, desejaram vê-la e ouvi-la. Porém não puderam alcançar em vida terrena o que de antemão nos reservara o Pai das Misericórdias, se bem que dessa graça iriam provar no tempo da redenção.

Hoje nasceu Maria, “a predestinada desde toda a eternidade por disposição da Divina Providência a ser mãe de Deus” (Lumen Gentium n. 61). Num pequeno dado histórico temos o início dessa festa da Natividade da Virgem Maria no século VII. Dela temos menção no Sacramentário Gelasiano, livro que enumera as festividades da Igreja. No Oriente a festa era também conhecida, como se pode conferir nos dois sermões de S. André de Creta (720)” (Glórias de Maria p.257). Há ainda quem afirma o início desta celebração por volta do século V em Jerusalém e é daí também que vem a afirmativa de que a Virgem teria nascido junto à Porta da Piscina Probática.

Todos esses dados são suposições. Segundo uma antiga tradição, Ana era estéril e com Joaquim, seu esposo, por anos rezavam a Deus e ofereciam ao Senhor sacrifícios, até que suas preces foram ouvidas. Disso nos fala tão bem São João Damasceno acerca da esterilidade de Ana: “Mas porque nasceu a Virgem Maria de uma mulher estéril? Àquele que é o único verdadeiramente novo debaixo do sol, como coroamento das Suas maravilhas, deviam ser preparados por maravilhas” e continua dizendo que em Ana “a natureza cedeu lugar a graça”, isso para explicar que o normal seria esta engravidar pelos meios naturais, mas Deus operou grandiosamente onde os meios naturais malograram, e a graça divina acontece então, quando ambos recebem o dom da paternidade.

É de praxe a Igreja celebrar a festa dos seus santos sempre na data da sua morte, visto que este dia é o renascer definitivo para a eternidade, porém festejamos três nascimentos, são eles: o de São João Batista, o nascimento da Virgem Maria, o qual festejamos hoje, e o natal do Senhor Jesus. Temos aqui a festa natalícia dos grandes precursores e o alvo do qual nos apontava estas setas.

Nasceu Maria, exatamente 9 meses após sua concepção contemplada no dogma da Imaculada Conceição, no 8 de dezembro, no qual celebramos a virgem pura e limpa de toda mancha em “vista dos méritos do seu Filho Jesus Cristo”.

Nasceu a flor que nos daria o fruto mais doce e proveitoso de toda a nossa existência, pequenina que vem brilhando para nós como a aurora que precede o amanhecer, visto que o “povo que andava nas trevas viu uma grande Luz” o nascimento de Maria preconiza o despontar deste sol nascente que nos veio visitar, dissipando as trevas da antiga culpa. Maria é “aurora da salvação” que, com a sua beleza e pureza preconiza o raiar da nossa redenção.

No ventre de Ana estava a mãe do Salvador e Ana deu a vida à mãe da Vida! Conta-se que foi algo visivelmente ordinário (nada se nota de espantoso) o nascimento da menina Maria. No peito de Ana (quando grávida) batia o seu coração materno carregado de amores pelo fruto das suas entranhas, mas no seu ventre batia um coração só para Deus, era o coração da humilde Maria que já amava seu Criador desde o útero de sua genitora.

E para que nasceu esta menina? Reponde-me em um dos seus belos sermões o Padre Antonio Vieira “Nasceu para que d’Ela nascesse Deus”. Em nossa tradição, costumamos guardar em nossos calendários as datas importantes. Ah! Que grande relevância tem para nós este dia, o dia em que a Divina Providência marcou desde toda eternidade para o natal da nossa mãe, o dia festivo o qual “mais do que na terra, encontra eco no céu”. Hoje nasceu Maria, a árvore cujo fruto sacia os filhos famintos deste mundo voraz.

Dessa forma, voltamos nosso olhar para ti mãe nossa, e pedimos que olhes tu para nós. Dai-nos teu Jesus e ajudai-nos a ter esperança mesmo quando tudo parece ser derrota a nossa volta. Ajudai-nos para que sejamos fiéis no pouco, ajudai-nos a sair de nós mesmos inspirados no teu exemplo, para que dando passos concretos ao encontro do outro tão necessitado do teu fruto sejamos sinais de esperança, sal da terra e luz do mundo.

Hoje nasceu a árvore da Vida, aquela que nos dá o Bendito Fruto. Hoje o paraíso novamente se abriu para os filhos de Eva. Hoje a morte começou a ser vencida pelos méritos de Cristo em Maria. Hoje nasceu aquela que nos dá o Fruto da Vida Eterna, Jesus Cristo, nosso Deus e Senhor.

Polyana Almeida Frota Lima e Pe. Rafael Augusto Linhares Pinto
Formandos da Pós-graduação em Mariologia

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...