Artigos

Maria: Mãe de Deus e Mãe dos Homens

Os primeiros sinais de uma devoção mariana - Parte I

Escrito por Academia Marial

04 FEV 2021 - 17H06 (Atualizada em 06 FEV 2021 - 09H19)

Shutterstock

"Interrompendo bruscamente o silêncio, ouve-se a voz do Deus escondido: "Onde estás?". E os bosques olham-se atónitos e os grandes ciprestes, verdejantes moradores da floresta, olham-se surpreendidos, perguntando na majestade e no silêncio: "Que faz este aqui no meio de nós?". Era assim que o poeta hebreu Bialik, numa sua lírica de 1905, reevocava aquela pergunta lacerante ouvida no jardim do Éden e dirigida ao homem pecador: "Onde estás?" (Gn 3,9). É uma advertência à responsabilidade, um apelo à consciência dirigido a todo homem - Adão em hebraico significa simplesmente "homem" - no repentino silêncio da natureza que assiste emudecida ao arrojo de quem ousa desafiar o Criador. Na harmonia da criação, que se está a infringir, o homem está para se tornar um estranho. Deus entra agora em cena não mais como amigo, que descia pela brisa da tarde para dialogar com a sua criatura mais elevada, mas como juiz que está para instituir um processo.¹

Reprodução
Reprodução
Cenas de "O Livro de Gênesis"


Segundo a Revelação bíblica, Deus criou o homem e a mulher a sua imagem, para que participassem de seu amor. Abençoou e dialogou com quem havia criado para dominar a terra (cf. Gn 1,28). A Bíblia testemunha que "Deus contemplou toda a sua obra, e viu que tudo era muito bom" (Gn 1,31). Rompido o diálogo com o Criador, dada a liberdade que ele próprio havia concedido ao homem e à mulher, entraram no mundo o pecado e a morte. Mesmo assim, Deus abriu-lhes novos horizontes: "Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirá o calcanhar" (Gn 3,15). Essa passagem é chamada de "Protoevangelho", isto é, primeiro anúncio da Boa-Nova. Genêsis 3,15 não é um texto vago, indeterminado, mas um claro anúncio da salvação, ainda que a luz decisiva venha a ser dada pelo Novo Testamento: o Redentor é Cristo e ele será vitorioso quando, encarnando-se, isto é, assumindo nossa carne e limitações, menos o pecado, nascendo de uma mulher (cf. Gl 4,4), salvar-nos-á. Cristo será o novo Adão, a cabeça da nova humanidade, o princípio da Nova Aliança. A mulher do Gn 3,15 será, em primeiro lugar, Eva. Sua descendência, a humanidade, sofrerá, mas triunfará sobre a serpente. Não é dito como ou quando isso ocorrerá. Segundo uma tradição muito forte na igreja, essa vitória foi alcançada não por Eva mas por Maria: seu descendente (Jesus) venceu o demônio para sempre. Afirma o Concílio Vaticano II (1962-1965) que Maria "já é profeticamente esboçada na promessa da vitória sobre a serpente dada aos nossos primeiros pais caídos no pecado" (LG 55).²

Reprodução
Reprodução

A mulher profetizada (Gn 3,15) desde a queda do primeiro homem como aquela que nos traria o vencedor do mal ainda não tem nome concreto. É uma figura misteriosa não somente no protoevangelho mas também nas profecias ao longo das Sagradas Escrituras que fazem referência a vinda do Messias. "Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que a jovem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel" (Is 7,14). Dentre essas, há também outras que possuem certa relevância, pois remetem a raiz de onde virá o Messias. Vemos também essas profecias, quando diz: "Um broto vai surgir do tronco seco de Jessé, das velhas raízes, um ramo brotará" (Is 11,1). Como também na profecia de Miquéias o mesmo anúncio: "Mas tu, Belém de Éfrata, pequena entre as aldeias de Judá, de ti é que sairá para mim aquele que há de ser o governante de Israel. Sua origem é antiga, de época remotas. Por isso, Deus os abandonará até o momento em que der à luz aquela que deve dar à luz" (Mq 5,1-2). Percebe-se que essas profecias nos dão a origem do Messias, que é a Casa de Davi; nos dão também o lugar que ele irá nascer, que é Belém de Judá. Vê-se também a forma: por meio de uma Virgem. Esses dados nos dão os sinais suficientes para chegar à pessoa de Maria.³

É a partir deste ponto da história da Salvação (Profecias) que podemos traçar o início de uma Devoção. Antes da vinda do Messias, na plenitude dos Tempos (Gl 4,4), essas profecias apenas geravam no povo esperança e expectativas. Esperança e expectativas não somente sobre a vinda do Messias, mas também sobre quem seria a genitora. O mistério que envolve a identidade da genitora do Messias é mistério gerador de uma devoção-admiração.

“Deus não só quis que fosse por meio de Maria, mas também foi dando pistas, revelando aos patriarcas e profetas, que por meio da própria humanidade Ele realizaria a salvação dos homens. Assim, na antiguidade eles não tinham a capacidade de saber que era a menina de Nazaré que daria à luz o Salvador, e a figura desta mulher estava velada, era esperada, mas ainda desconhecida. Mas, é Cristo, a plenitude da revelação, que rasga o véu do mistério de Deus, e a mulher desconhecida e esperada por todos é revelada. 4”

As menções a Maria no texto bíblico são muito reduzidas. Em algumas, ela nem aparece citada pelo próprio nome, como é o caso da Carta de Paulo aos Gálatas, dos Evangelhos de Marcos e de João (nas bodas de Caná). Maria tem mais expressão narrativas de infância dos Evangelhos de Mateus e Lucas. No entanto, embora seja mencionada pelos narradores dessas obras, ela mesma fala muito pouco: em Lucas, quatro vezes (1,26-38.46-55;2,41-52); em Marcos e Mateus, nenhuma vez. Em Lc 2,41-52 e Jo 2,1-12 são as únicas vezes em que ela fala diretamente com Jesus.5

Maria é a mulher silenciosa das Sagradas Escrituras, aquela que no silêncio acolhe e medita todas as coisas em seu coração.  “Do antigo testamento, Maria tirou as lições silenciosas de aceitação à soberana vontade de Javé: Por acaso a argila pergunta ao oleiro: O que estás fazendo? (Is 45,9b). Sentindo-se barro nas mãos do artista, Maria acolhe, no silêncio da fé e da humildade, sua missão. Em suas pregações, Jesus haveria, posteriormente, de exaltar essa silenciosa humildade: Quem se humilha será exaltado (Lc 14,11).6”

Seguindo nesta silenciosa humildade, a Mãe de Jesus, começa a atrair a admiração dos seguidores de seu Filho Jesus Cristo. Não precisou de alardes para que a devoção-admiração começasse a surgir. Alguém do povo exclama como és grande o Senhor. Do meio da multidão uma voz exalta esta mulher bendita: “Feliz o ventre que te trouxe e os seios que te amamentaram”. (Lc 11,27)

continua...

Vinícius Aparecido de Lima Oliveira
Associado da Academia Marial de Aparecida

Editor-chefe do Projeto: O rosto Mariano do Brasil

Bibliografia:

1. RAVASI, Gianfranco. Os rostos de Maria na Bíblia. São Paulo: PAULUS Editora, 2007.
2. KRIEGER, Murilo S. R. SCJ. Com Maria, a Mãe de Jesus: mariologia para leigos  - Aparecida: Editora Santuário, 2017.
3. PINTO, Rafael Augusto Linhares. Compêndio de Mariologia. São Paulo: Cultor de Livros, 2018, p. 46.
4. PINTO, Rafael Augusto Linhares. Compêndio de Mariologia. São Paulo: Cultor de Livros, 2018, p. 48.
5. UNIÃO MARISTA DO BRASIL - UMBRASIL. Maria no coração da Igreja: múltiplos olhares sobre a mariologia. nº da edição quando for a partir da 2 ed. São Paulo: Paulinas: União Marista do Brasil - UMBRASIL, 2012. nº de páginas p. (Coleção Maria em nossa vida).
6. GERALDO, Márcia Terezinha C. M. O silêncio de Maria. Aparecida, SP: Editora Santuário, 2020.

Apresentação de Jesus
Artigos

Festa da Apresentação do Senhor

“O Rei da glória é o Senhor onipotente” (Sl 23/24) No próximo dia 2 de fevereiro de 2023, celebramos a Festa da Apresentação do Senhor. Essa celebração acontece 40 dias após o Natal. Esse acontecimento é narrado no capítulo 2 do Evangelho de Lucas.

Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos
Artigos

Mariofanias - Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos

Em meados de 1681 o conde Philipp de Dietrichstein Siegmund fundou ao Norte da Boémia a pequena aldeia de Philippsdorf. Um lugar místico que atrai ao longo dos anos inúmeros fiéis que peregrinam em busca de Maria Santíssima invocada neste local como Auxílio dos Cristãos. Esta aldeia é o berço da fé e da devoção à Mãe de Deus entre os povos Thecos. No longínquo ano de 1835 nascia em Philippsdorf a vidente Madalena Kade. De família humilde, Madalena, ficou órfã muito cedo e por conta de uma série de doenças muito graves vivia sob os cuidados do irmão Joseph. O irmão Joseph além dos muitos cuidados com a irmã, trabalhava arduamente para sustentar a esposa Cecília e os seus cinco filhos.

Nossa Senhora de Knock (1)
Artigos

Mariofanias - Nossa Senhora de Knock

Aprovação: Em 1936 pelo Arcebispo de Tuam. A comissão investigativa do Dr. Gilmartin retorna um veredicto positivo. No condado de County Mayo, Irlanda, situa-se o Santuário Nacional de Knock. Este não foi somente lugar de uma das aparições da Virgem Maria. Videntes afirmam terem visto além da Mãe de Deus; seu castíssimo esposo São José; o Evangelista João e o próprio Filho de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus.

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Academia Marial, em Artigos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.