Por *Eduardo Gois Em Santo Padre Atualizada em 11 MAR 2019 - 13H52

Cinco vezes em que o Papa fala contra o terrorismo

Neste 11 de março é Dia Internacional em Memória das Vítimas de Terrorismo. Também foi para este mês que o Papa Francisco pediu em suas intenções de oração pelas comunidades cristãs, em particular as que são perseguidas, para que sintam a proximidade de Cristo e para que os seus direitos sejam reconhecidos.

Em meio a um momento tão desafiador para humanidade, fazer florescer o respeito e a compaixão pelo próximo se torna, muitas vezes, tarefa bem difícil. Diante disso, não é de agora que o Santo Padre se posiciona firmemente sobre o terrorismo.

Abaixo listamos cinco exemplos.

1. Em todas as religiões existem os fundamentalistas

shutterstock
shutterstock


Ao voltar da Cracóvia para Roma, após a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de 2016, durante o voo, Francisco disse aos jornalistas: “Não é justo falar que o Islã é terrorista. Eu não gosto de falar de violência islâmica. Senão, teremos que falar também em violência católica. Na Itália, um mata a namorada, outro a sogra, são católicos batizados, são católicos violentos”.

2. Maledicência "é terrorismo"

Shutterstock
Shutterstock


O Papa Francisco também afirmou que "bisbilhotar" e "falar mal dos outros" é como fazer "terrorismo". O Sumo Pontífice pronunciou tal afirmação em 2017, num encontro com religiosos na Igreja de Santo Rosário, em Daca, no seu último dia de visita a Bangladesh no final daquele ano.

3. Loucura homicida

Shutterstock
Shutterstock


O Papa Francisco condenou também a “loucura homicida” do terrorismo, ao lamentar ataques na Somália, Afeganistão e Nova Iorque, em 2017. “Ao lamentar esses atos de violência, rezo pelos defuntos, pelos feridos e seus familiares”, disse, após a recitação da oração do Angelus na solenidade de Todos os Santos, dias após os ataques.

4. Retorno ao diálogo

Shutterstock
Shutterstock

Na celebração de Natal de 2015, Francisco, durante sua bênção de Natal, relembrou atos terroristas cometidos durante o ano e pediu esforço da comunidade internacional para acabar com a violência na Síria, Ucrânia, Líbia e África. “Precisamente ali onde o filho de Deus veio ao mundo, continuam as tensões e violências”, disse, em referência à Terra Santa. E pediu que “os israelenses e palestinos possam retornar o diálogo direto e alcançar um entendimento que permita aos dois povos conviver em harmonia”.

5. “O terrorismo se alimenta da pobreza”

Shutterstock
Shutterstock

“A experiência demonstra que a violência, os conflitos e o terrorismo se alimentam do medo, da desconfiança e do desespero que nascem da pobreza e da frustração”, afirmou o Pontífice durante uma recepção oferecida pelo presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, em novembro de 2015.

Dirigindo-se a líderes políticos, empresariais e religiosos que o receberam em Nairóbi, Francisco também disse: “Eu os exorto, especialmente, a que se preocupem verdadeiramente com as necessidades dos pobres, as aspirações dos jovens e uma distribuição justa dos recursos naturais e humanos”, reclamou

.:: Aumenta o número de católicos, mas número de sacerdotes cai

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por *Eduardo Gois, em Santo Padre

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.