Santo Padre

Papa encoraja padre que defende a comunidade LGBTQIA+

O Pontífice incentiva a continuar trabalhando na cultura do encontro que nos faz perceber que há mais coisas que nos unem do que aquelas que nos separam

Escrito por Guilherme Gomes

04 AGO 2022 - 08H49 (Atualizada em 04 AGO 2022 - 11H46)

Reprodução/ Vatican Media

Leia MaisPapa Francisco confirma viagem ao Cazaquistão Papa levanta possibilidade de renunciar no futuroO Papa Francisco enviou uma carta de encorajamento a um padre jesuíta que é conhecido por defender a comunidade LGBTQIA+.

A correspondência do Pontífice foi revelada pelo destinatário da correspondência, o Padre James Martin, interlocutor frequente do Papa, que inclusive, é o primeiro Santo Padre jesuíta na história da Igreja.

Segundo James, a carta de Francisco foi uma resposta ao envio de um folheto de um evento que busca promover o acolhimento da comunidade LGBTQIA+ pela Igreja.

Encorajo-vos a continuar a trabalhar sobre a cultura do encontro, que encurta as distâncias e nos enriquece com as nossas diferenças, precisamente como fez Jesus, que se fez próximo de todos”, disse o Papa na correspondência.

O Papa observa que a coisa mais preciosa é o que acontece nos encontros interpessoais:

De fato, a pandemia nos levou a buscar alternativas para preencher as distâncias. Ensinou-nos também que há coisas insubstituíveis, entre as quais a capacidade de se olhar 'face a face', mesmo com aqueles que pensam diferente, ou com os quais as diferenças parecem nos separar ou mesmo nos colocar em contraste. Quando superamos essas barreiras, percebemos que há mais coisas que nos unem do que aquelas que nos separam”, escreveu o Pontífice.

Reprodução/ Vatican Media
Reprodução/ Vatican Media
Padre James Martin é interlocutor frequente do Papa Francisco


Em outra correspondência trocada com Martin, em maio passado,
Francisco havia dito que a Igreja Católica não rejeita homossexuais e que um credo "seletivo" arrisca se tornar uma "seita”.

"Deus é Pai e não renega a nenhum de seus filhos", afirmou Francisco, que gostaria que um católico LGBTQIA+ que tenha vivenciado a rejeição na Igreja reconhecesse isso não como "a rejeição da Igreja", mas como a de "pessoas na Igreja", porque "a Igreja é uma Mãe e convoca todos os seus filhos”, sem distinção.

Uma Igreja seletiva, de sangue puro – afirmou Francisco – não é a Santa Mãe Igreja, mas sim uma seita”, disse o Santo Padre em outra ocasião.

.:: Veja a biografia especial do A12 sobre o Papa Francisco

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Guilherme Gomes, em Santo Padre

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.