Santo Padre

Veja o motivo pelo qual o Papa reza o Angelus em público aos domingos

O Angelus tem suas raízes em uma prática medieval de rezar a Ave-Maria três vezes seguidas

Escrito por Guilherme Gomes

06 JUL 2022 - 15H26 (Atualizada em 07 JUL 2022 - 08H22)

Shutterstock

Leia MaisPapa envia telegrama de pesar pela morte de amigo brasileiroPapa Francisco fala sobre renúncia, problema de saúde e guerra na Ucrânia

A tradicional oração do Angelus realizada pelo Papa, no Vaticano, aos domingos, é feita com a presença de fiéis que enchem a Praça de São Pedro para rezarem junto com o Pontífice.

O motivo pelo qual esse rito tradicional é realizado em público data de 67 anos atrás, quando o médico italiano Luigi Gedda, influente líder leigo e então presidente da Associação “Ação Católica”, convenceu seu amigo, o Papa Pio XII, a rezar em público o Angelus.

Assim, em 15 de agosto de 1954, na Solenidade da Assunção de Maria, Pio XII dirigiu-se aos católicos em Roma e a todo o mundo pela Rádio Vaticano, convidando-os a se juntar a ele “na piedosa saudação à Mãe de Deus”.

Foi o início de um costume dos Papas que se repete todos os domingos e nas solenidades marianas: o Pontífice aparece na janela de sua biblioteca no Palácio Apostólico ao meio-dia para conduzir os fiéis reunidos na praça de São Pedro na oração do Angelus em latim.

O que é o Angelus?

O Angelus tem suas raízes em uma prática medieval de rezar a Ave-Maria três vezes seguidas, por recomendação de Santo Antônio de Pádua.

Nos anos 1200, um grupo de franciscanos propôs que a prática fosse feita à noite, após a oração das Completas, como forma de meditar sobre o mistério da Encarnação de Cristo. Um sino seria tocado para lembrar aos frades e outros que era hora de rezar as Ave-Marias.

O Angelus era chamado na época de “Oração da Paz”, pois o objetivo era honrar o Filho de Deus que, encarnando-se no seio da Virgem Maria, colocou os fundamentos da paz entre Deus e os homens. A oração era rezada somente no início da noite, pois acreditava-se que o Arcanjo Gabriel se apresentou a Virgem Maria ao entardecer. Inicialmente era composta pelas palavras da primeira parte da Ave-Maria, repetidas diversas vezes. Somente mais tarde, assumiu a fórmula rezada atualmente.

Polyana Gpnzaga/A12
Polyana Gpnzaga/A12



Hoje, a
oração também inclui palavras da Anunciação – o anúncio do Arcanjo Gabriel a Maria de que ela havia sido escolhida para ser Mãe de Deus – e uma oração de encerramento. No Vaticano, muitos escritórios têm o costume de interromper o trabalho todos os dias para rezar o Ângelus ao meio-dia.

Na época da Páscoa, o Angelus é substituído pelo Regina Coeli - “Rainha dos Céus”-, uma antífona mariana rezada ou cantada durante a Páscoa.

Durante o tempo pascal, desde a celebração da ressurreição até o dia de Pentecostes, ela substitui a oração do Angelus, cuja meditação central é o mistério da Encarnação.

Assim como o Angelus, o Regina Coeli é recitado três vezes ao dia: ao amanhecer, ao meio-dia e ao pôr do sol. É uma forma de consagrar o dia a Deus e à Virgem Maria.

O Angelus é transmitido ao vivo para todo o mundo e pela Internet. Os sinos da Basílica de São Pedro sempre tocam ao meio-dia, pouco antes de o Papa aparecer na janela do Palácio para a oração à Santíssima Virgem Maria.

.:: Veja a biografia especial do A12 sobre o Papa Francisco

.:: Entenda o problema de saúde do Santo Padre

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Guilherme Gomes, em Santo Padre

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.