Por Elisangela Cavalheiro Em Notícias

7 palavras de São João Paulo II sobre a Beata Celeste Crostarosa

São João Paulo II deixou como herança para as Monjas Redentoristas uma calorosa mensagem sobre a vida da Beata Maria Celeste Crostarosa.

Naquela ocasião, 31 de outubro de 1996, era celebrado o tricentenário de nascimento da religiosa que fundou a Ordem do Santíssimo Redentor (1696 - 1996)

A religiosa até então não tinha sido beatificada e quem imaginaria que o papa se tornaria um santo para a Igreja.

Em seu discurso, São João Paulo II deixou 7 mensagens para as religiosas, que também podem servir para a vida cristã. Em algumas delas, o santo papa indica características da espiritualidade da beata, que ele cuidadosamente retirou de seus escritos. Confira.




CRISTO NO CENTRO

A proposta espiritual de Madre Celeste é profundamente cristocêntrica.

“Articula-se em torno do mistério do Verbo Encarnado que o Espírito atualiza incessantemente em nós, transformando a nossa vida na sua: Cristo pode assim ‘renascer no mundo nas almas dos seus entes queridos’”(cf. Autobiografia).

TRANSFORMAÇÃO NA EUCARISTIA

Ela faz referência constante à Eucaristia como fonte de transfiguração.

“Com efeito, indica a plena transformação eucarística como ponto de chegada de todo o caminho espiritual: ‘Fui à Sagrada Comunhão e tu me transmutaste em ti, porque entrei na humanidade da tua Palavra divina e comecei a me sacrificar ao Pai por todos os homens’ e a saborear ‘méritos e graças’ que, por sua paixão, Cristo difunde a ‘todas as almas dos fiéis’, unindo-os e glorificando-os na sua “humanidade unida ao Verbo’” (cf. Irmã Maria Celeste Crostarosa, Retenção da alma com seu Esposo Jesus [manuscrito não publicado], 147).

SEMELHANÇA COM O REDENTOR

Irmã Celeste acrescenta outra característica igualmente importante: a viva memória brota necessariamente da imitação.

“Os Redentoristas deverão imprimir neles ‘a vida e a verdadeira semelhança’ do Redentor, tornando-se ‘um retrato vivo e animado’ (cf. Spicilegium Historicum). Nunca se deve esquecer, porém, que se trata de uma imitação por participação operada pelo Espírito, que não se cansa de traçar em nós a plenitude da semelhança de Cristo”.

CONTEMPLAÇÃO

A contemplação deve ser o centro da vida da comunidade.

Leia MaisJoão Paulo II e os Redentoristas3 pedidos de São João Paulo a Nossa Senhora do Perpétuo SocorroA oração de João Paulo II a São João Neumann “Deve ser o olhar fixo em Cristo para se deixar irradiar e transformar nele pelo Espírito, de modo a se tornar um sinal transparente para os irmãos para a glória do Pai. Tudo isto exige um empenho incessante e amoroso no aprofundamento do Evangelho, também segundo a indicação da sua Fundadora, que viu na passagem evangélica proposta diariamente pela liturgia a base de todo o dia”.

CARIDADE FRATERNA

A caridade fraterna que nasce da contemplação é graça.

“Deves saber partilhar com os teus irmãos por aquele acolhimento evangélico, constantemente lembrado pelas vossas Constituições. A oração assim vivida faz dos vossos mosteiros centros de acolhimento cristão para quem vai à procura de uma vida simples e transparente para encontrar em Cristo o sentido pleno da vida. Isso vale para todos, mas sobretudo para os jovens, hoje mais necessitados do que no passado de experiências fortes e mais expostos ao fascínio de manipulações alienantes. No entanto, saibam desenvolver tudo isso na fidelidade à herança afonsiana, que sempre preferiu os pobres”.

FIDELIDADE 

A fidelidade exige a coragem da renovação incessante.

“Precisamos ‘repropor com coragem a iniciativa, a inventividade e a santidade dos Fundadores e das Fundadoras como resposta aos sinais dos tempos que estão surgindo no mundo de hoje’ (cf. João Paulo II, Vita consecrata, 37). É um desafio que a vida de clausura feminina deva viver hoje com particular coragem face à rápida evolução do mundo feminino: a vossa presença e o vosso testemunho são um contributo precioso, para que o caminho da mulher de hoje seja rico em profundidade espiritual autenticamente evangélica. A ‘fidelidade criativa’ convida também a procurar formas que permitem a toda a Ordem cuidar das situações de necessidade de cada mosteiro".

PIEDADE MARIANA

É preciso contemplar a ação de Deus em Maria.

“A contemplação das ‘maravilhas operadas pelo Senhor em Maria’ e o esforço constante por ‘amadurecer uma piedade mariana cada vez mais verdadeira e profunda’, como afirmam as vossas Constituições, ajudam a dar-vos impulso e confiança".

:: Conheça mais sobre  a vida da Beata Celeste Crostarosa que a Igreja celebra no dia 11 de setembro


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Elisangela Cavalheiro, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.