Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna - CSsR, Ana Matiello Em Grão de Trigo Atualizada em 11 MAR 2019 - 09H35

As três tentações durante os quarenta dias de provação no deserto

tentacoes

Homilia: 1º Domingo Quaresma- C 

Lc 4,1-13         

O Evangelho de Lucas 4,1-13 narra o início do ministério de Jesus que movido pelo Espírito Santo recolheu-se em jejum de 40 dias no deserto. Passou pela provação humana. Durante esse tempo foi tentado pelo demônio. Inclusive ao passar fome, pois nada comeu até o final do jejum. O demônio provocou-o a três tentações específicas, e com prepotência diabólica preparou-lhe armadilhas esperando os momentos de mais fragilizado. Parece-nos, a princípio, que essas três tentações, que citaremos mais adiante, têm grande poder sobre o homem. No entanto, o demônio (o tentador) dos homens é conhecedor inteligente dos nossos limites, e por isso, precisa usar de maledicência e se aproveitar dos momentos mais fragilizados, para nos tentar.

Jesus é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem. Portanto, em sua condição humana sofreu as tentações a que estamos sujeitos. Ao vencê-las, Jesus tornou-se, para nós homens e mulheres, a fortaleza onde o ser humano pode ir se abrigar nos momentos mais terríveis e angustiantes. Escreve São Paulo: “Por isso me comprazo em minhas fraquezas, nas injúrias, nos sofrimentos, nas perseguições, nas angústias suportadas por Cristo; pois quando sou fraco, é então que sou forte” (2 Cor 12,10). Pois é na fraqueza que somos “vítimas” fáceis, mas se vencemos por Cristo e em Cristo, então testemunhamos a força que uma vida humana recebe contra todo o conjunto de forças contrárias a Deus.

Quando Jesus esteve fraco após quarenta dias de tentações no deserto, foi então que ficou forte. Qual é o ensinamento dele para vencermos as três tentações? Realizar a Palavra de Deus na vida terrena e dentro da história. Pois a verdade desta Palavra não é só conceitual, ela é a própria vida; se Deus vive em nós então nós nos libertamos já agora da morte. São três tentações que exemplificam toda oposição humana ao plano divino da salvação: pretender agir como Deus modificando a realidade em benefício próprio; adorar poderes e glórias humanas em lugar de Deus; provocar e esperar infantilmente a intervenção milagrosa de Deus.

Na primeira tentação, Jesus estava com fome, o demônio lhe disse: “Se és Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão” (v.3). E Jesus respondeu com a Palavra de Deus: “Está escrito: não só de pão vive o homem” (v.4). Ora, o que está implícito na tentação do demônio? Quando a pessoa humana deseja muito obter alguma coisa e ela descobre que pode obtê-la apenas por caminhos contrários à dignidade e ao valor daquilo que deseja, ela continuará a ter a mesma “fome”. Por quê? Porque aquilo que sacia seu desejo já não existiria mais em sua verdadeira condição. A vontade de satisfazer uma necessidade instantaneamente fez com que se esvaziasse a verdade daquilo que desejava. Sentirá de novo a mesma “fome...”, aí repetirá a mesma coisa... como num eterno retorno. Porém, quando aquela “fome” (posta na tentação) foi vencida pela confiança na Palavra de Deus, Ele proverá o alimento na hora certa, da forma certa, sem inverter a realidade das coisas com os valores inerentes a ela. É o que disse Jesus na fonte com a mulher samaritana: “Qualquer que beber desta água tornará a ter sede; mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna” (Jo 4,13-14).

O cristianismo não transforma a realidade e o mundo em algo que desejamos, mas nos ensina e nos prepara para viver nele.

Na segunda tentação, o demônio oferece a Jesus poder e glória sobre o mundo se Ele o adorar. Já estamos cientes de que aquilo que o mal oferece com uma mão ele tira com a outra. Este foi o tema da famosa obra do poeta Goethe: Fausto. Mefistófeles deseja em troca daquilo que oferece ao ambicioso Fausto, nada menos que a sua própria alma; se para Fausto sua alma valia menos que o poder e a glória, Mefistófeles conhecia muito bem o valor dela para Deus. No texto bíblico Jesus respondeu ao demônio: “Está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele servirás” (v.8).

A segunda tentação é, de fato, contínua à primeira. Ao desejar obter por caminhos contrários a Deus o objeto desejado, adoramos aquilo que é contrário a Deus. Não existe o meio termo. O homem sedento por sua realização plena nesta vida passageira, ou encontrará em Deus o seu fundamento, ou iludindo-se pensará encontrá-lo no mundo. Mas aquilo que o mundo oferece para a realização, poder e glória do homem: “tornar-se o senhor de si mesmo”, e que chamamos muitas vezes de “liberdade”, é, em suma, adoração àquilo que o próprio demônio despreza, pois para ele só lhe interessa desviar-nos do verdadeiro fundamento. “E o mundo passa com sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”. (1 Jo 2,17)

Chesterton disse: Quem não acredita em Deus, passa a acreditar em qualquer coisa. Poderíamos dizer: Quem não adora a Deus, passa a adorar qualquer coisa. O homem que não adora Deus e acha que, por isso, é livre de qualquer mecanismo de manipulação e servidão, desconhece a sua própria condição. Todo artista precisa dominar a técnica da sua arte, pois quem desconhece os princípios básicos que a fundamenta, não terá o instrumento necessário para expressar a sua liberdade criativa. Estará preso em si mesmo. Fazer a vontade de Deus, a Palavra de Vida Eterna, é o comprometimento ético, o instrumento que torna o gênero humano verdadeiramente livre. É o cristianismo que nos ensina, não a negar a vida no mundo, mas a possuí-lo, como se não o possuíssemos. (1 Cor 7,31).

A terceira tentação é, igualmente, contínua à primeira e à segunda. Com exceção de que, dessa vez, o demônio usa da própria Escritura para tentar o Senhor. “O demônio levou-o ainda a Jerusalém, ao ponto mais alto do templo, e disse-lhe: Se és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Ordenou aos seus anjos a teu respeito que teguardassem. E que te sustivessem em suas mãos, para não ferires o teu pé nalguma pedra” {Sl 90(91),11s}. Jesus disse: Está escrito: “Não tentarás o Senhor teu Deus {Dt 6,16}” (9-12vs). Qual é a mensagem de fundo catequético nesta narrativa de São Lucas? Mostrar que não é a letra, mas a Palavra que vence o mal e o pecado. A falsa segurança religiosa se fundamenta na letra; enquanto a letra pode ser usada para consolo ou condenação imediata e, por isso, pode tornar-se um instrumento de poder, a Palavra é o que dá o sentido eterno à vida e à morte.

Aplicação Mariana

Em sua personalidade de “serva fiel do Senhor” Maria é inseparável do mistério de seu Filho. O que não implica que ela tenha participado das narrativas como escritas nos Evangelhos. É justo supor que dentro da psicologia da relação tão profunda entre Mãe e Filho, Maria acompanhou mais intimamente do que nós o podemos fazer, todo o “desenvolvimento humano” do Filho de Deus. E terá percebido com sua inimaginável intuição materna como Ele se tornava mais e mais consciente de si próprio e das decisões que tomava em sua vocação messiânica. Em Lucas, evangelista muito próximo de Maria, está como que um desabafo de Jesus nessas palavras: “Devo receber um batismo, e qual não é minha angústia até que ele seja consumado”. (Lc. 12,50). Podemos pensar na última tentação de Jesus: a do Calvário! A presença da mãe naquele momento supremo da dor e da dúvida, terá confortado o Filho agonizante. Essa é nossa mãe na hora das provações.

Ana Alice Matiello   (Mestra em Ciência da Religião-UFJF)

Pe. Antonio Clayton Sant’Anna - CSsR

3 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Antonio Clayton Sant’Anna - CSsR, Ana Matiello, em Grão de Trigo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.