Por Leonardo C. de Almeida Em Palavra do Associado Atualizada em 05 SET 2019 - 14H29

É Setembro! Viva a Senhora da Penha! Viva a Padroeira de São Paulo!

Leonardo C. Almeida
Leonardo C. Almeida
NOSSA SENHORA DA PENHA

Neste mês de setembro, a cidade de São Paulo celebra a Festa de sua Padroeira, Nossa Senhora da Penha de França, cujo antigo Santuário e cuja monumental Basílica localizam-se no bairro homônimo, na Zona Leste da Metrópole. As duas igrejas estão no alto de uma colina e voltadas para o centro da cidade, como a indicar que, do alto daquele penhasco, a Virgem Santíssima vela pelo Município a Ela confiado.

Essa devoção completa 352 anos na capital paulista. Acredita-se que, depois de Vila Velha – ES (1530) e da cidade do Rio de Janeiro (1635), a devoção tenha chegado a São Paulo em 1667.

Hoje é um título mariano bastante conhecido em todo o país e com grande apelo popular. Você já conhece a história, os milagres e as curiosidades da Padroeira da cidade de São Paulo?

A ORIGEM DO TÍTULO

A invocação “Nossa Senhora da Penha” surgiu a partir do encontro milagroso de uma imagem de Nossa Senhora, em 1434, no alto de uma serra na Espanha, denominada “Penha de França”, onde se ergueu o primeiro Santuário da Penha do mundo. A própria Virgem Santíssima revelou ao monge Simão Vela onde encontrar a bendita imagem, a qual originou a devoção que se espalhou por toda a Europa, chegando ao Brasil por intermédio dos portugueses.

O MILAGRE DO VIAJANTE FRANCÊS

Na cidade de São Paulo, a devoção teve início quando um viajante francês, a caminho do Rio, pernoitou, em 1667, no alto do penhasco onde hoje está o Santuário da Penha (chamada, popularmente, “Igreja Velha”). Trazia consigo uma imagem da Virgem da Penha. No dia seguinte, ele continuou viagem, mas a imagem, milagrosamente, reapareceu no local onde passara a noite. O episódio miraculoso se repetiu mais vezes. O homem entendeu que Maria escolhera aquele local para sua morada. Ergueu, então, ali uma primitiva ermida, que abrigou a imagem, em torno da qual se desenvolveu a Freguesia (Paróquia) e o bairro da Penha de França.

Outra versão afirma que o Padre Jacinto Nunes de Siqueira, em 1668, ergueu no alto da colina uma capela para abrigar uma imagem da Virgem da Penha.



A IMAGEM

A imagem milagrosa e original trazida pelo francês em 1667 encontra-se preservada no nicho central da Basílica. É uma belíssima escultura barroca que representa a Mãe de Deus sorrindo, com vestes e atributos reais (manto/coroa/cetro – ofertados ao longo dos séculos como ex-votos) e carregando o Menino Jesus, que tem o mundo às mãos e os bracinhos estendidos. Maria pisa uma penha (rocha), e um querubim está aos seus pés.

O MILAGRE DA PORTA

Em 1685, o Bispo do Rio de Janeiro decidiu transferir a imagem da Penha para um Recolhimento que idealizara no centro de São Paulo. O povo da Penha não aceitava que lhe levassem sua Mãe.

Assim, no preciso dia em que a imagem seria transladada, diante da multidão inconformada, as portas da igreja (atual Santuário Eucarístico), milagrosamente, abriram-se sozinhas, como sinal de que a Mãe de Deus queria permanecer naquele local sagrado. E assim o foi.

A PADROEIRA DA CIDADE

A fama da imagem milagrosa espalhou-se por toda a cidade de São Paulo. Infindáveis romarias vinham até a Penha para implorar os seus favores. Os prodígios obtidos eram inúmeros. Diante disso, sofrendo a cidade com epidemias de varíola e graves períodos de estiagem, a Câmara, em nome da população paulistana, nos séculos XVIII e XIX, solicitou várias vezes à autoridade religiosa que a imagem fosse transladada para a antiga Sé, a fim de que o povo pudesse pedir proteção para a cidade. E sempre as epidemias e as secas cessavam.

O povo, então, aclamou Nossa Senhora da Penha como a Padroeira da cidade de São Paulo. Em retribuição à Mãe de Deus pelos favores concedidos, vinha homenageá-la nas festas de 08 de setembro em seu Santuário da Penha. Para facilitar os traslados da imagem à Sé e as romarias em setembro até a Penha, foram abertas e ampliadas as atuais avenidas Celso Garcia e Rangel Pestana. O número de romarias à Colina Santa da Penha só aumentava...

A PARÓQUIA

A Paróquia da Penha celebra seu aniversário (223 anos) também em setembro. Foi no dia 15 desse mês, em 1796, que a Rainha de Portugal criou a Freguesia de Nossa Senhora da Penha, desmembrando-a da Sé. A Matriz da Paróquia passou a ser a então Capela (atual igreja velha da Penha, Santuário Eucarístico).

Estiveram à frente da Paróquia, nestes 223 anos, dezenas de párocos e padres auxiliares. Por mais de 60 anos, os Missionários Redentoristas foram os responsáveis pelo Santuário da Penha: deram imensa projeção a essa devoção mariana, construíram capelas, seminário, hospital e deram início à nova e monumental igreja matriz (mais tarde elevada à dignidade de Basílica).

Passaram pela Penha importantes figuras, como D. Pedro I, D. Pedro II, Conde D’Eu, Carlos de Campos...

O SANTUÁRIO E A BASÍLICA

A antiga Matriz da Penha foi elevada a Santuário em 1909 (o primeiro da Capital!).

Diante do afluxo imenso de devotos à Penha, foi lançada, em 1957, a pedra fundamental de nova e imensa igreja: a chamada “Igreja Nova”, que foi Dedicada em 1984.

O Papa João Paulo II elevou a nova Matriz a Basílica em 1985 e reconheceu, com o documento pontifício, Nossa Senhora da Penha como Padroeira de São Paulo.

Junto com o antigo Santuário (elevado a Santuário Eucarístico em 1995) e a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos da Penha (datada de 1802), a Basílica (com todo o seu acervo artístico e suas dependências: Sala dos Milagres e das Velas, Ossário e túmulo do Padre Carlinhos, gruta, Livraria etc), constitui um complexo religioso sem igual que se destaca na paisagem da Capital.

A FESTA

A Festa da Penha tem mais de três séculos e sempre se realizou em 08 de setembro (comemoração litúrgica da Natividade de Maria).

No passado, a Festa refletia em todo o cotidiano da cidade e em todos os seus setores, chegando a reunir centenas de milhares de romeiros, que vinham pagar suas promessas e participar da grandiosa procissão.

Ainda hoje, a Festa da Penha tem o seu brilho e congrega milhares de romeiros, peregrinos e devotos durante a Solene Novena e, principalmente, no grande dia 08, quando são celebradas diversas missas e se realiza a procissão à noite. Fora isso, toda uma programação recreativa e cultural marca as comemorações da Padroeira e do aniversário do bairro.

Leonardo C. de Almeida
Associado da Academia Marial de Aparecida

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Leonardo C. de Almeida, em Palavra do Associado

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.