Nossa Senhora Aparecida (Thiago Leon)
Palavra do Associado

Nossa Senhora da Conceição Aparecida - "Ó dia mil vezes bendito"

Escrito por Academia Marial

13 FEV 2021 - 07H00 (Atualizada em 18 FEV 2021 - 11H46)


Título: Nossa Senhora da Conceição Aparecida - "Ó dia mil vezes bendito".
Padroeira: Brasil
Festa: 12 de Outubro


Leo Caetano
Leo Caetano
Nossa Senhora Aparecida



O povo brasileiro herdou a Devoção Mariana vinda de Portugal e de outras suas irmãs Colônias.
Aqui, na terra de Santa Cruz, os primeiros títulos marianos aparecem desde o alvorecer do século XVI. ¹ 

A devoção voltada à Nossa Senhora da Conceição teve forte presença no Vale do Paraíba, desde o final do século XVII, quando os primeiros bandeirantes cruzaram a região e desceram o rio Paraíba do Sul a caminho de Minas Gerais, levando consigo imagens religiosas e oratórios. Vale lembrar que em Portugal já havia uma forte devoção à Virgem , sobretudo, a partir do reinado de Dom João IV, que, em 1646, elegeu a Nossa Senhora da Conceição como Imperatriz do Reino, em gratidão à restauração da soberania de Portugal depois de longo domínio espanhol (1580 a 1646).²

O Vale do Paraíba, situado a sudeste do Estado de São Paulo, recebeu seu nome do rio Paraíba do Sul que serpeia por toda a sua extensão. Na época do descobrimento, o Vale do Paraíba era povoado por tribos indígenas que navegavam pelas águas do rio Paraíba e cortavam as encostas da Serra com suas trilhas e caminhos. Cerca de 130 anos após o descobrimento, em 1628, o Vale passou a ser habitado pelos colonizadores. Naquele ano, foi concedida uma das primeiras sesmarias ao Sr. Jaques Félix na região do rio Una, afluente do rio Paraíba, sob a invocação e benção da Imaculada Conceição de Maria, pois a sesmaria tinha sido concedida pela Casa de Vimieiro, da Capitania da Imaculada Conceição de Itanhaém. Sem dúvida, esse fato foi o primeiro sinal de benção para os habitantes do vale do Paraíba, sua primeira predestinação para o amor de Jesus Cristo por intercessão de Maria Imaculada.

Em 1636, Jaques Félix funda o povoado de São Francisco das Chagas de Taubaté. Após a fundação desta Vila, seguiram-se as fundações de Guaratinguetá, Imaculada Conceição de Jacareí e, na ordem e no tempo, sucederam-se as outras cidades do Vale. Em 1717, aparece no Vale o sinal da benção maio, um sinal de libertação: uma imagem quebrada da Imaculada Conceição de Maria. Imagem, sinal que reveste da cor da população do Vale e de todo o Brasil: a cor escura do sofrimento e da falta de perspectivas de liberdade. Esse fato trouxe o maior sinal de bênção para o Vale do Paraíba e para o Brasil: a Imaculada Conceição da Mãe de Deus, que é o caminho mais fácil para o nosso povo e achegar até Jesus Cristo.³

Reprodução
Reprodução


Nos primeiros anos do século, iniciou-se um clima de instabilidade social e política. Para controlar a situação, o governo português resolveu unir as capitanias de São Paulo e Minas, deixando-as sob o comando de um único governador. Quem assumiu o posto foi Dom Pedro de Almeida Portugal, conhecido como conde de Assumar. A caminho da sede do seu governo, Vila Rica (atual Ouro Preto), o novo governador e sua comitiva tiveram de passar por Guaratinguetá.

Chegaram em 17 de Outubro e, segundo historiadores, lá permaneceram até o dia 30 do mesmo mês. Essa era a turma para quem os pescadores foram incumbidos pela Câmara local de trazer peixe em profusão para compor o banquete de recepção dos ilustres. Alguns autores afirmam que o alimento seria salgado para garantir as refeições dos visitantes durante o trajeto até Vila Rica. Mas, por infortúnio, não caía peixe nenhum na rede dos três humildes pescadores. Domingos Martins Garcia, João Alves e Felipe Pedroso percorreram uma longa distância sem sucesso, até chegarem ao chamado Porto do Itaguaçu, onde João lançou a rede e nela emergiu uma parte da imagem da santa - o corpo. Mais à frente, foi içada a sua cabeça. As duas partes foram embaladas em um pano e guardadas na canoa. Dali em diante, caiu tanto peixe na rede que os três até recearam afundar com o peso no barco.4

Leia MaisOs títulos de Aparecida: Padroeira do Brasil Nossa Senhora Aparecida, Signo de Resistência no interior do Brasil

Após a pescaria, cujos resultados foram peixe em abundância e uma imagem quebrada, recolhida na rede de João Alves, o pescador entregou ao companheiro Felipe Pedroso a desconhecida lembrança. Com jeito e respeito, ele cuidou da santa, consertou-a e a colocou num oratório, diante do qual passaram a rezar. Foi essa a primeira casa de Nossa Senhora Aparecida, a casa do pescador.

Anos mais tarde, Felipe mudou-se para o bairro do Itaguaçu e encarregou o filho Atanásio de zelar pela santa. O moço considerou a missão uma herança e arrumou ao lado da casa, que ficava à beira da estrada que ligava, na época, São Paulo a Minas Gerais, um lugar para quem queria rezar.

Nada mais oportuno, a Senhora Aparecida começava a tornar-se conhecida, o que ia em breve exigir espaço maior e mais adequado para ela morar. Assim, apenas 25 anos depois do encontro da imagem, graças ao zelo do padre José Alves Vilela, vigário da Igreja de Santo Antônio de Guaratinguetá, uma nova história começa a ser contada. O padre não só conseguiu a licença para construir a igreja, o que se deu em 1743, como teve aprovado oficialmente o novo título com que a Mãe dos brasileiros ia ser chamada: Nossa Senhora da Conceição Aparecida.5

Revestida de manto e com uma brilhante coroa na cabeça, assim é sempre apresentada a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Coroa e manto, ornamentos de rainha! A imagem da Senhora da Conceição, que, em 1717, os pescadores retiraram do rio Paraíba do Sul, é de barro cozido e está vestida com uma túnica pregueada enfeitadas de flores e recoberta por um manto. Logo a devoção dos fiéis passou a enfeitá-la, com os recursos a seu alcance.

Já em 1750, menos de quarenta anos depois de aparecida na rede dos pescadores, conforme inventário registrado no Livro do Tombo da paróquia de Guaratinguetá, a primeira capela de Nossa Senhora Aparecida registra entre o bens da Imagem um manto e uma coroa. Ignoramos de que material e cores eram feitos, qual sua aparência ou valor. Mas vemos aí a expressão da piedade, do amor e da gratidão dos fiéis. Foi por isso que a Princesa Isabel manifestou seu agradecimento pela graça da maternidade, alcançada por intercessão da Senhora Aparecida, dando-lhe uma preciosa coroa de Ouro, rubis e diamantes.

Então os bispos, no dia 8 de Setembro de 1904, coroaram oficialmente a Senhora Aparecida, dando-lhe o título de Rainha do Brasil. Com a aprovação do Santo Padre, o Papa São Pio X, a Igreja oficialmente executava um desejo do povo devoto. No sermão daquela missa pontifical, diante de milhares de devotos, o Arcebispo do Rio de Janeiro exclamava: "Ó dia mil vezes bendito!"6

Em 1929, ano em que foi realizado o Jubileu de Prata da Coroação de Nossa Senhora como Rainha do Brasil, juntamente com o Congresso Mariano, o Episcopado brasileiro, reunido no Santuário Nacional, decide pedir para o Papa que declare oficialmente Nossa Senhora Aparecida como Padroeira de toda nação. À frente do movimento estava o Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Sebastião Leme, grande devoto de Nossa Senhora.

O pedido foi encaminhado a Roma, logo depois do Congresso e, a 16 de Julho de 1930, o Papa Pio XI declarava Nossa Senhora da Conceição Aparecida como Padroeira do Brasil. "Nada mais oportuno do que atender ao pedido não só dos bispos, mas todos os católicos do Brasil, que veneram a Imaculada Conceição da Virgem Maria com zelo e piedade desde o descobrimento até nosso tempo", disse, à época, o Papa Pio XI. No ano seguinte, em 31 de Maio de 1931, uma celebração solene no Rio de Janeiro marcou oficialmente o decreto do Papa.7

Vinícius Aparecido de Lima Oliveira
Associado da Academia Marial de Aparecida
___________________________________________________________________________________________

Bibliografia:

1. MACIEL, José Mauro. Mãe Aparecida no Brasil: história, devoção e missão. Aparecida, SP: Editora Santuário, 2018.
2. Cesar Augusto Bustamante Maia, Fabio Magalhães (org.). 300 anos de Devoção Popular. São Paulo: Museu de Arte Sacra de São Paulo, 2017. 605p. ; il.
3. BRUSTOLONI, Júlio. História de Nossa Senhora Aparecida: sua imagem e seu santuário. Aparecida, SP: Editora Santuário, 1998.
4. KRANZ, Bell. 21 Nossas Senhoras que inspiram o Brasil. São Paulo: Planeta, 2020.
5. MOREIRA, César, C.Ss.R. As casas onde Nossa Senhora Aparecida morou. Revista de Aparecida. Aparecida, SP, v. 1, n. 154, p. 31, jan.2015.
6. LAPENTA, Vitor Hugo C.Ss.R. Almanaque para 2017. Senhora Coroada: "Ó dia mil vezes bendito!". Almanaque de Aparecida: ecos marianos 2017. Aparecida. SP, v., n., p. 9.
7. Pio XI declara Nossa Senhora Padroeira do Brasil. Revista de Aparecida. Aparecida, SP, v. 7, n. 112, p.50. Disponivel em: Nossa História.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Academia Marial, em Palavra do Associado

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.