Palavra do Associado

Nossa Senhora Divina Pastora – Virgen Zagala

Escrito por Academia Marial

14 JUN 2021 - 08H51 (Atualizada em 14 JUN 2021 - 09H08)

Aparecida Lembranças de fé

Título: Nossa Senhora Divina Pastora

Padroeira: Sergipe

Festa: 08 de Novembro

O Estado localizado entre os rios São Francisco e Real, nomeado como Sergipe, foi visitado por primeiro pela guarda-costeira de Gaspar de Lemos, em 1501. Os que inicialmente tiveram um contato pacífico com seus habitantes, os indígenas, foram os franceses tendo início a realização das primeiras atividades de escambo, importando desta localidade o pau-brasil, a pimenta e algodão. Com o sistema das Capitanias Hereditárias que tinha sido imposto pelo Rei Dom João III no ano de 1534, o território Sergipano passou a pertencer a Capitania da Bahia de Todos os Santos, doada a Francisco Pereira Coutinho. Os Portugueses ainda não haviam descoberto as riquezas deste local e assim piratas franceses realizavam o contrabando a baixo custo das riquezas naturais da região, como o pau-brasil. Foi somente em 1575, que os primeiros passos da colonização foram dados. Com a chegada dos jesuítas Gaspar Lourenço e João Salônio, foram fundadas as igrejas de São Tomé, São Inácio e de São Paulo, a criação destas igrejas foi uma tentativa de catequizar os índios.

Com os Jesuítas veio a devoção a Virgem Maria, Senhora que desponta como a desbravadora do Novo Mundo: “A figura de Maria na terra brasileira é uma presença constante em todo o seu acontecer histórico, a começar da velha Lusitânia, que não hesitou em autodenominar-se de “Terra de Santa Maria” e a rigor, pode-se dizer que o culto à Mãe de Deus inspirou , consolou e estimulou quase todos os episódios da histórica metrópole, que no seu expansionismo colonialista eivado de proselitismo religioso, bem ou mal, transmitiu o que era possível da sua devoção a Maria”. ¹

Sergipe é a terra de Santa Maria “Divina Pastora” ou como fora chamada inicialmente de 'Virgen Zagala', que significa a “Pastora que cuida do seu rebanho”. A invocação deste Título mariano de Nossa Senhora Divina Pastora teve início em Sevilha, na Espanha.

“O título de Nossa Senhora Divina Pastora surgiu no século XVIII, mais precisamente no ano de 1703, em Sevilha na Espanha. No livro La Pastora Coronada (ou A Pastora Coroada) escrito pelo Frei Isidoro de Sevilha, cuja primeira publicação foi no ano de 1705, ele relata que na noite do dia 24 de junho (dia de São João) de 1703, quando estava rezando na igreja do convento capuchinho em Sevilha, a Virgem Maria lhe aparece, mas estava vestida como pastora. Ele descreve que a Senhora estava sob a sombra de uma árvore com uma criança no colo, usava um chapéu e tinha a sua volta várias ovelhas. Cada uma delas tinha um botão de rosa na boca. No dia seguinte ele procurou o pintor Miguel Alonso de Tovar para que fizesse uma pintura que retratasse a visão que havia tido com Nossa Senhora. Essa pintura foi apresentada pelo frei no dia 08 de setembro (natividade de Nossa Senhora) deste mesmo ano, ele organizou uma procissão pelas ruas da cidade carregando um estandarte com a imagem inédita da Virgem. Essa foi a primeira vez que a imagem da Divina Pastora foi vista”. ²

Nossa Senhora Divina Pastora foi elevada à categoria de padroeira da Província Eclesiástica de Aracaju, composta pelas três dioceses de todo o território de Sergipe... O decreto de elevação à padroeira foi assinado por Dom Frei João José Costa (arcebispo de Aracaju), Dom Mario Rino Sivieri (bispo de Propriá) e Dom Giovanni Crippa (bispo de Estância). ³

Sergipe era até então o único estado do Brasil que não tinha uma padroeira. A ideia de pôr sob a proteção sob o manto e o pastoreio da Divina Pastora todos os católicos sergipanos foram apresentados por Dom João Costa e pelo sacerdote Helelon Bezerra dos Anjos, reitor do santuário. O Arcebispo ficou entusiasmado com a ideia dando início aos trabalhos. A proclamação de Nossa Senhora Divina Pastora como Padroeira de Sergipe no dia 15 de Outubro de 2017 também marcou a celebração dos 200 anos de criação de Paróquia de Divina Pastora (1817-2017) e o início da programação comemorativa dos 60 anos da Peregrinação (1958-2018).

Vinícius Aparecido de Lima Oliveira
Associado da Academia Marial de Aparecida

Bibliografia:

1. AZEVEDO, Manuel Quitério de. O culto a maria no brasil: história e teologia. Aparecida, SP: Editora Santuário; Academia Marial, 2001. – (Coleção Maria de Deus;3)

2. CONTEÚDO aberto. In: Academia Marial de Aparecida, a12.com – Nossa Senhora de Sipária – La Divina Pastora. Disponível em: < https://www.a12.com/academia/palavra-do-associado/nossa-senhora-de-siparia-la-divina-pastora >. Acesso em: 12 mai 2021.

3. CONTEÚDO aberto. In: G1.Globo – Nossa Senhora Divina Pastora é consagrada Padroeira de Sergipe. Disponível em: < https://g1.globo.com/se/sergipe/noticia/nossa-senhora-divina-pastora-e-consagrada-padroeira-de-sergipe.ghtml >. Acesso em: 12 mai 2021.

Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos
Artigos

Mariofanias - Nossa Senhora Auxílio dos Cristãos

Em meados de 1681 o conde Philipp de Dietrichstein Siegmund fundou ao Norte da Boémia a pequena aldeia de Philippsdorf. Um lugar místico que atrai ao longo dos anos inúmeros fiéis que peregrinam em busca de Maria Santíssima invocada neste local como Auxílio dos Cristãos. Esta aldeia é o berço da fé e da devoção à Mãe de Deus entre os povos Thecos. No longínquo ano de 1835 nascia em Philippsdorf a vidente Madalena Kade. De família humilde, Madalena, ficou órfã muito cedo e por conta de uma série de doenças muito graves vivia sob os cuidados do irmão Joseph. O irmão Joseph além dos muitos cuidados com a irmã, trabalhava arduamente para sustentar a esposa Cecília e os seus cinco filhos.

Nossa Senhora de Knock (1)
Artigos

Mariofanias - Nossa Senhora de Knock

Aprovação: Em 1936 pelo Arcebispo de Tuam. A comissão investigativa do Dr. Gilmartin retorna um veredicto positivo. No condado de County Mayo, Irlanda, situa-se o Santuário Nacional de Knock. Este não foi somente lugar de uma das aparições da Virgem Maria. Videntes afirmam terem visto além da Mãe de Deus; seu castíssimo esposo São José; o Evangelista João e o próprio Filho de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus.

Maria mãe de Deus
Artigos

Maria, Mãe de Deus, Rainha e modelo de construção da paz e da fraternidade

Comemoramos no dia 01 de janeiro a Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus. Ao mesmo tempo celebramos o Dia Mundial da Paz. Dois conteúdos cristãos que estão intimamente entrelaçados em seu sentido maior. A Mãe do Senhor é também o modelo de construtora da paz e da fraternidade, sendo a primeira discípula-missionária do seu Filho, o Príncipe da Paz (Is 9,6). No transcurso dos séculos, consolidou-se esta devoção á Mãe do Salvador como Rainha da Paz.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Academia Marial, em Palavra do Associado

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.