Por Ciro Leandro Costa da Fonsêca Em Palavra do Associado Atualizada em 13 MAR 2020 - 13H27

Por uma poética Mariana

A poesia brasileira, desde o início da colonização, bebe da fonte da religiosidade. Os jesuítas, como São José de Anchieta, teciam versos sobre a Virgem Maria como forma de aproximar os índios e os futuros leitores da face terna de Maria. 

Na cultura popular sertaneja, muitos cantos, poemas e benditos da época do Padre Ibiapina, dos missionários capuchinhos, do Padre Cícero Romão atravessaram os séculos e até hoje entoam na memória e na voz dos devotos de Maria, nos lugares mais distantes do Brasil.adelia-prado-oraculos-de-maio g


Poetisa mineira Adélia Prado

adelia-prado-oraculos-de-maio g

Um fenômeno contemporâneo desafia o relativismo da chamada pós-modernidade e nos aproxima de Maria da forma mais humana possível: a obra da poetisa mineira Adélia Prado. Em sua poética subjaz a fé em Nossa Senhora, cuja relação se dá nos momentos mais do cotidiano e também nas provações, nas dores indescritíveis como gosta de explicar a poetisa, o rosto humano de Maria tecido em versos dá um sentido cristão ao ofício literário de Adélia.

Na obra 'Oráculos de Maio' a escritora projeta na carência de afeto a sua aproximação com Maria após ter perdido a sua mãe, como nos poemas de Pedido de Adoção e Mater Dolorosa, numa simbologia de que o céu perfeito nasce no amor maternal de Maria. No poema “Ex voto” a poetisa revela sua devoção a Nossa Senhora Aparecida como podemos ver nos versos: 

“Que ex voto levo à Aparecida/ se não tenho doença e só lhe peço a cura?”

“Ave, Maria! Ave, carne florescida em Jesus. Ave, silêncio radioso, urdidura de paciência onde Deus fez seu amor inteligível!” Saudação (Adélia Prado)

Há um capítulo a parte da obra que tem o mesmo título de 'Oráculos de Maio' que dedica todos os poemas a Maria de forma a revelar aos leitores, a vivência do mês de maio, nos poemas Exercício espiritual, Nossa Senhora das Flores, Estação de maio, Aura, Sinal do céu, Teologal e Maria. Poemas que sintetizam a escritura da poética mariana.

Os versos inaugurais do primeiro poema do capítulo, 'Exercício Espiritual', resumem o motivo poético da obra: “Maria,/ roga a teu Filho que me mostre o Pai”. Na obra 'Bagagem', o poema Saudação dá o tom do viés mariano da poetisa, quando escreve que Maria é o lugar urdido de paciência “onde Deus fez seu amor inteligível!”.

O poema Anunciação ao poetado livro 'Bagagem', descreve a relação da poetisa com o Espírito Santo, como também no poema O ajudante de Deus do livro 'Oráculos de Maio'. Adélia Prado afirma ter dito sim ao dom da poesia e que, como Maria, sua missão se faz por obra do Espírito Santo.

Que a sua obra seja estudada por pesquisadores marianos como manifestação da fé do povo brasileiro em Nossa Senhora, revelada na mais singela e profunda expressão da poesia brasileira na atualidade.

 Ciro Leandro Costa da Fonsêca
Doutorando em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
Associado da Academia Marial de Aparecida.

 

Ciro Leandro Costa da Fonsêca

Doutorandoem Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Associado da Academia Marial de Aparecida.

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Ciro Leandro Costa da Fonsêca, em Palavra do Associado

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.