Por João Antônio Johas Em Espiritualidade Atualizada em 14 JAN 2019 - 09H11

Beato Pedro Donders: o incansável apóstolo no Suriname

Reprodução.
Reprodução.
Pedro Donders dedicou anos de sua vida no amor aos leprosos.


Recordar uma pessoa que viveu a vida cristã de maneira heroica é sempre uma ocasião para refletirmos sobre a nossa própria vida. Com o Beato Pedro Donders não é diferente. Nascido em 1809, na Holanda, filho de uma família muito pobre, o beato viveria grande parte da sua vida cuidando de leprosos no Suriname, com uma vida entregue a Deus, de maneira muito generosa. Então, surge a pergunta: Quão generosos estamos sendo com a nossa própria vida? Quanto fazemos dela uma vida que ajuda com que os outros tenham vida?

Pedro Donders experimentou o chamado para o sacerdócio, desde muito cedo, e teve que lutar por isso. Sem dinheiro para pagar o seminário, fez trabalhos internos e recebeu ajuda de benfeitores para conseguir quitar essa despesa. Por outro lado, tinha muitas dificuldades nos estudos, pelo qual precisou colocar um esforço extra para passar por todos os estágios. Mas sua luta foi premiada e, no dia 5 de Junho de 1841, foi ordenado sacerdote do Senhor.

Quando se sabe o que o Senhor quer de cada um, quando se experimenta no mais profundo esse chamado e esse desejo de serví-Lo, seja em qualquer estado de vida, é preciso colocar tudo de nossa parte para conseguir cumprir. Não é fácil viver a vida cristã coerentemente e não é fácil responder ao Plano de Deus, mas duas realidades nos consolam: a primeira delas é saber que não estamos sozinhos! Deus nos conforta e nos alenta com sua força e com sua graça, para que perseveremos até o fim. A segunda é conhecer que a única vida de verdadeira felicidade (não sem dificuldades) é a Vida Nova que nos foi entregue pelo Senhor Jesus, com sua vitória sobre a morte.

Leia MaisBeato Pedro Donders: solidariedade e compaixão em favor dos irmãosQuando se está unido a Deus e a seu desígnio de salvação, coisas incríveis acontecem. Não me refiro só a milagres e feitos sobrenaturais, mas também a uma vida entregue por amor, mesmo em ambientes hostis e difíceis. Pedro Donders foi enviado ao Suriname, país que faz divisa com as Guianas, a leste e a oeste, e com o Brasil, ao sul. Nunca mais saiu de lá; esta terra foi seu segundo país.

 

Somente alguém que, de verdade, encontrou o sentido da vida no Amor é que pode viver feliz como viveu Pedro Donders. 

Primeiramente, em Paramaribo, começa a fazer seus trabalhos sociais e, mais tarde, é levado a Batávia, onde cuidaria de uma colônia de leprosos. Passaria vinte e sete anos nesse difícil trabalho. Deixo aqui um comentário de um bispo da época, para que se tenha uma noção melhor de como era esse trabalho:

“Pela primeira vez tive repugnância pela lepra. Eu ministrei a crisma a uma senhora leprosa, que jazia em tábuas no chão da sua cabana.
Não havia um ponto sequer no seu corpo que não tivesse sido atingida pela doença incurável.
O odor era forte e repugnante como de um corpo em pleno apodrecimento.
De tal maneira eu estava tão sensível, que tive que abrir as duas portas externas para poder cumprir a minha função até o fim”.

O que leva uma pessoa a viver mais de duas décadas em um trabalho tão abnegado? Somente o amor a Deus e o encontro com esse mesmo Deus nas pessoas que sofrem e necessitam de ajuda podem explicar realmente essa realidade. Somente alguém que, de verdade, encontrou o sentido da vida no Amor (com letra maiúscula) é que pode viver feliz, como viveu Pedro Donders. 

E para nós, qual é o sentido da nossa vida? Descobrimos que Deus nos chama de verdade a um Amor até o extremo? Existe um ditado que diz que "a medida da grandeza de nossa vida é a medida da causa que servimos". A que causa servimos atualmente? Não existe causa mais nobre que a causa de Deus!

:: O sentido do sofrimento
:: Um sentido da vida 
:: O sentido do caminhar com Cristo

Pedro Donders sabia disso e, com a entrega de sua vida, ensina a cada um de nós a olhar mais para os demais, a sair de nosso mundinho fechado, abrir os olhos para as necessidades dos outros e às possibilidades que temos de colocar o nosso grão de areia para fazer um mundo melhor. Não importa o que façamos, se o fazemos por amor a Deus, estamos contribuindo para um mundo mais reconciliado, para um mundo melhor.


Escrito por
Irmão João Antônio Johas (Redação A12.com)
João Antônio Johas

Licenciando em Filosofia pela Universidade Católica de Petrópolis, Pós-graduando em Antropologia Cristã pela Universidade Católica San Pablo em Arequipa, Peru.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Inácio Medeiros, C.Ss.R., em Espiritualidade

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.