Por Redação A12 Em Redação A12

Papa quer paz, preservação da natureza e fim das armas em Moçambique

O Santo Padre Papa Francisco realiza mais uma viagem apostólica, na quarta-feira, (04), ele desembarcou em Maputo, no Moçambique. O primeiro compromisso oficial foi a visita de cortesia ao Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, no Palácio presidencial “Ponta Vermelha”. O Papa quer trazer nessa viagem uma mensagem que contempla pontos importantes:

Shutterstock
Shutterstock

Paz;

Preservação do meio-ambiente;

Renúncia às armas.

O Pontífice também mostra preocupações com às próximas eleições no país, os dois ciclones que devastaram o território, além de um frágil acordo de paz existente.

Nesta quinta-feira, o Papa Francisco celebrou em privado uma missa com a nunciatura apostólica e de acordo com o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, Francisco recordou na celebração, o cardeal Roger Etchegaray, “homem de diálogo e de paz”, e o cardeal José de Jesús Pimiento Rodríguez, que faleceu em 3 de setembro.

Depois da missa, o Papa reuniu-se com alguns responsáveis e um grupo de participantes dos programas criados pela Fundação Scholas Occurrentes em várias cidades do país, acompanhados do diretor Enrique Adolfo Palmeyro. Durante o encontro, foram ilustradas ao Santo Padre as atividades desenvolvidas pela Fundação, particularmente no campo do esporte e da formação humana.

Paz é prioridade da pauta

Em seu pronunciamento. O Papa mencionou o recente acordo assinado na Serra da Gorongosa para a cessação definitiva das hostilidades militares e o Acordo Geral de 1992 em Roma.

A história não deve ser escrita pela luta fratricida, disse o Papa, mas pela capacidade de se reconhecer como irmãos. É preciso ter “a coragem da paz! Uma coragem de alta qualidade: não a da força bruta e da violência, mas aquela que se concretiza na busca incansável do bem comum”.

Francisco prosseguiu afirmando que a busca pela paz é um trabalho árduo, requer determinação mas sem fanatismo, coragem mas sem exaltação, tenacidade mas de maneira inteligente: “não à violência que destrói, sim à paz e à reconciliação”.

Leia MaisPapa diz para não ter medo daqueles que nos mandam ficar caladosÉ preciso ser cristão além das palavras No Twitter, Papa enaltece mulheres corajosasPapa Francisco "puxa a orelha" de núncios apostólicos O que o Papa pede e espera dos jornalistas?O Pontífice encorajou as autoridades a prosseguirem no caminho do desenvolvimento, avançando nas áreas da educação e da saúde, “para que ninguém se sinta abandonado”, especialmente os jovens.

Por fim, o Papa recordou que a paz convida a olhar também para a Casa Comum. Moçambique foi “abençoada por sua beleza natural”, mas constata a tendência à espoliação, “guiada por uma ânsia de acumular que, em geral, não é cultivada sequer por pessoas que habitam estas terras, nem é motivada pelo bem comum do povo”.

Uma cultura de paz, concluiu Francisco, implica um desenvolvimento produtivo, sustentável e inclusivo, “onde cada moçambicano possa sentir que este país é seu”.

Na sexta-feira, o Papa ainda visita a Ilha de Madagascar e Ilhas Maurício.

.:: Assista abaixo o encontro do Papa com os bispos em Maputo


Fonte: Vatican News

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redação A12, em Redação A12

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Bem vindo!


Para completar seu cadastro, por favor, verifique seu e-mail e defina sua senha.
Caso não encontre o e-mail na sua caixa de entrada, por favor, verifique na caixa de SPAM/TRASH/LIXO ELETRÔNICO.