Por Redentoristas Em Notícias

Personagens marcantes da história do ícone do Perpétuo Socorro

"Façam-na conhecida em todo o mundo". Com esta exortação, o Papa Pio IX confiou ao então Superior Geral da Congregação do Santíssimo Redentor, padre Nicholas Mauron (1888 - 1893), o ícone milagroso de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, para que este quadro sagrado pudesse ser colocado novamente para o culto público.

Era o dia 11 de dezembro de 1865, e este fato ocorreu na Igreja de Santo Afonso, na Via Merulana, em Roma. No dia 26 de abril de 1866, em uma procissão comovente, o ícone foi entronizado na igreja. 

O mandato de dar a conhecer o ícone da Mãe do Perpétuo Socorro acompanhou a vocação missionária dos Redentoristas, sempre direcionada aos mais abandonados e principalmente aos pobres. Ela às vezes até nos precedeu com graça e ternura: “Mais do que levar este ícone de Maria ao mundo, Maria nos carregou em seu terno abraço de ajuda perpétua". 

Desta história, alguns personagens chamam a atenção. Confira. 

Reprodução.
Reprodução.


Data de nascimento indefinida

Na espiritualidade de uma pessoa religiosa, as imagens sagradas não são bonitas apenas por seu valor artístico, mas pela realidade transcendente para a qual apontam. Assim, nas imagens marianas, encontramos a mãe, o discípulo, um ponto de referência, uma amiga, uma companheira em uma viagem.

Na "História" convincente e conturbada do ícone, contada pelo padre Ernesto Bresciani (1838 - 1919), entre história e lenda, apologética e tradição oral, podemos tocar com as mãos como a vontade divina se cruza inseparavelmente com os intrincados eventos humanos dos protagonistas, tornando-os uma história de salvação.

A história deste ícone foi objeto de vários estudos. Aqui, seguiremos a história do ícone, que interage com outras contribuições escritas ao longo de 150 anos.

Nos encontramos diante de um ícone do tipo Hodegetria, ou seja, "aquilo que indica o caminho". De acordo com o que Bresciani escreve, remonta ao século 13 ao 14, enquanto outro autor, Ferrero, acredita que é muito mais tarde, do século 15 ao 16.

Essa primeira discrepância de datas já não ajuda o estudioso a tentar entender o que está diante dele. Somados à discrepância nas datas históricas estão os resultados dos estudos científicos realizados durante a restauração do ícone sob a orientação de Marrazzo no início de 1999. Esses estudos datam da madeira do século 14 ao 15 e do painel pintado ao século 18 e 19. Para este trabalho, focaremos apenas em refazer brevemente a história até 1866 e depois permaneceremos na mensagem. Nesta jornada, levaremos Bresciani como nosso timoneiro.

O comerciante culpado e a garota inocente

Padre Bresciani, o primeiro autor redentorista a escrever sobre Nossa Mãe do Perpétuo Socorro, indica que as informações mais antigas, relacionadas ao ícone, datam do final de 1400, quando, segundo a tradição, um comerciante roubou um santuário da ilha de Creta, e a imagem altamente venerada pelas muitas maravilhas atribuídas a ela.

Leia MaisOração de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro contra a Covid-19Igreja de Roma preserva devoção a ícone milagrosoOrações a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro 3 pedidos de São João Paulo a Nossa Senhora do Perpétuo SocorroSaiba como rezar a Novena do Perpétuo SocorroEsta informação relatada por Bresciani foi encontrada ao lado do ícone em dois pergaminhos, um escrito em latim e outro em italiano antigo, datado de 1600.

“De importância significativa para o nosso ícone é o texto no pergaminho da Igreja de São Mateus, totalmente transcrita por Torrigio, em 1642, e duas vezes por Bruzio, em 1661  (...) o mais antigo e decisivo, frei Mariano de Florença em 1518". 

Sem entrar na controvérsia sobre as datas e os pergaminhos - e levando em conta a plausibilidade de como o ícone chegou a Roma, o motivo do comerciante para roubá-lo é desconhecido. A história em si coloca muitas questões. O comerciante tomou a imagem sagrada para obter exclusivamente para si uma proteção poderosa? Ganhar uma fortuna vendendo a preciosa relíquia no Ocidente? Para protegê-la da profanação?

É preciso dar crédito à história escrita por Bresciani, que deve ser lida na ótica da Divina Providência, que parece conscientemente guiar o ícone em direção ao destino para o qual estava indo: Roma, a cidade eterna.

O comerciante chega a Roma após um ano de navegação atormentada e graves doenças. Ele encontra um lugar de descanso para os seus últimos dias, com um amigo que o levou para sua casa. O comerciante, talvez se arrependendo de ter roubado o ícone, o entrega a seu amigo, confidencia o segredo e pede a ele que lhe garanta uma promessa de que, o mais rapidamente possível, ele retornará o ícone à veneração pública, para que possa receber a reverência que merece. 

Bresciani continua sua história, afirmando que a esposa do amigo do comerciante ficou encantada com o ícone e queria obrigar o marido a renegar a promessa feita ao amigo moribundo.

A Virgem, através de muitas aparições a todos os membros da família, expressou o desejo de expor a imagem em um santuário. Eles ignoraram os avisos até que a Madonna apareceu por alguns dias para a menininha da família, revelando o nome pelo qual desejava ser conhecida: “Mãe do Perpétuo Socorro” e indicando a localização exata em que desejava que o ícone fosse colocado: “Na Igreja de São Mateus, na Via Merulana, entre as Basílicas de Santa Maria Maior e São João de Latrão”.

Questionada pela família sobre quem era a mulher bonita que apareceu para ela em seus sonhos, a menina disse sem hesitar, a Mãe do Perpétuo Socorro, retratada no ícone.

Finalmente convencida, a mãe, obedeceu e contou aos Padres Agostinianos que eram os guardiões da igreja, a história prodigiosa e o desejo da Virgem.

As notícias se espalharam rapidamente por toda a cidade e o ícone foi levado em solene procissão à igreja de São Mateus em 27 de março de 1499

O frade devoto e o jovem diligente

Segundo Bresciani, o ícone desfrutou trezentos anos de veneração ininterrupta, durante os quais em 1708, o cardeal Francesco Nerli (1636 - 1708) proclamou o ícone "Miraculorum Gloria Insignis" pelas inúmeras maravilhas e graças obtidas por sua intercessão.

Em 1798, as tropas de Napoleão invadiram a cidade de Roma, enviando o Papa Pio VI para o exílio. Com a ideia de um planejamento da cidade, muitas igrejas, reitorias e conventos foram destruídos. A pequena igreja de São Mateus não foi salva, mas completamente destruída. O ícone sagrado foi novamente milagrosamente salvo, graças à extrema intervenção de um dos frades. Os agostinianos fugiram para a igreja de São Eusébio e mais tarde encontraram uma casa na reitoria de Santa Maria em Posterula, trazendo consigo o ícone.

Mas, porque nesta igreja já havia a veneração da Madonna delle Grazie, o ícone foi relegado a uma capela particular na reitoria, sem nenhuma decoração ou atos de devoção particular. Foi gradualmente esquecido por seus devotos e tornou-se praticamente desconhecido para todos. Mas, talvez seja melhor dizer que se tornou desconhecido para quase todos, porque havia uma pessoa que não esqueceu o poder maravilhoso desse ícone sagrado, o Frei Agostino Orsetti, que quando jovem religioso, foi formado na comunidade de São Mateus.

O frei Agostino nunca parou de levantar orações fervorosas, nem se extinguiu em sua memória as imagens dos numerosos milagres obtidos pela intercessão de Nossa Mãe do Perpétuo Socorro. Ele costumava orar na capela onde o ícone estava sendo mantido.

Outro ator entra nesta história. O jovem Michael Marchi (1829 - 1886), futuro missionário redentorista, era amigo de Frei Agostino e como ele falava com entusiasmo do ícone e, às vezes, também com tristeza pelo estado de abandono em que estava atualmente, surgiu o desejo de devolver o ícone ao seu antigo esplendor glorioso.

A12
A12
Fachada igreja de Santo Afonso em Roma, onde Santo Afonso e o ícone são venerados.


O arquivista e ex-menino de altar de memória agradecida

Quando a memória do ícone sagrado parecia irremediavelmente perdida e enterrada, entra na história novos personagens e eventos que ajudam a satisfazer novamente o desejo da Virgem e o desejo de Frei Agostino e o mercador de Creta.

Para os Missionários Redentoristas, agora presentes em uma parte substancial da Europa e crescendo na América do Norte, surgiu a necessidade de uma Casa Geral em Roma. Assim, em janeiro de 1855, os Redentoristas adquiriram “Villa Caserta” na Via Merulana, e justamente na área do seu jardim ficava a igreja de São Mateus, antes de sua demolição.

A propriedade, antes de sua compra pelos Redentoristas, havia se tornado propriedade privada. Os Redentoristas então se ocuparam em construir uma igreja que eles dedicaram ao seu fundador, Santo Afonso Maria de Ligório (1696-1787).

Em 1855, a candidatura do jovem Michael Marchi para se tornar redentorista foi aceita. Ele proferiu votos como redentorista em 25 de março de 1857.

Alguns anos depois, o cronista da comunidade na Via Merulana fez uma pesquisa de arquivo sobre a casa e descobriu que na Villa Caserta, havia uma pequena igreja dedicada a São Mateus, onde houve veneração ao ícone de Nossa Mãe do Perpétuo Socorro. O cronista ficou entusiasmado com a descoberta e a compartilhou com o resto da comunidade.

Para sua decepção, todas as pistas da história terminam com a invasão napoleônica e a consequente destruição da igreja.

Agora, entre os confrades dessa comunidade está o padre Michael Marchi, que ao ouvir a história da Mãe do Perpétuo Socorro e da igreja de São Mateus confirma imediatamente que sabe exatamente onde o ícone pode ser encontrado.

Dois anos depois, o Superior Geral dos Redentoristas, Nicholas Mauron, com um testemunho oficial escrito pelo padre Michael Marchi fez um pedido ao papa para que o ícone fosse devolvido ao local onde a própria Virgem Maria havia solicitado.

O papa Pio IX, por sua própria mão, escreveu uma nota no verso do papel em que o pedido foi escrito, concedendo o pedido. 

E assim, no dia 26 de abril de 1866, o ícone foi entronizado na Igreja de Santo Afonso, em Roma, sede geral dos Redentoristas, onde até hoje é venerado. 

Rios de graça e conversão foram concedidos pela Virgem como resultado da oração e meditação deste ícone sagrado. Através da disseminação dessa devoção perpétua e da súplica perpétua de Maria, muitos Redentoristas, juntamente com milhões de fiéis, foram aproximados de Deus.

A12
A12
Ícone original no altar da Igreja de Santo Afonso, na Via Merulana, em Roma.


Fonte: Traduzido e adaptado do texto de Padre Alfonso Amarante CSsR, da Província de Napoles.

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Redentoristas, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.