Por Pe. José Grzywacz, C.Ss.R. Em Palavra do Associado Atualizada em 15 JUL 2020 - 11H31

Magnificat na visão de Martim Lutero



Em 1521 Martim Lutero conclui sua análise e interpretação do Magnificat de Maria (Lc 1,46b – 55). O comentário do Magnificat foi motivado por um pedido do Príncipe João Frederico, duque da Saxônia. O Cântico de Maria – Magnificat – foi consolo para Martim e foi-lhe conforto quando, com seus direitos políticos cassados, esteve exilado no Wartburgo.

Lutero fez do Magnificat uma leitura piedosa, e, ao mesmo tempo, bíblica, muito bem aplicada à nossa vida pessoal de seguimento de Cristo e rica de implicações sociais da doutrina cristã. Lutero chama Maria de “a doce mãe de Cristo”, “Virgem Maria” e de “mãe de Deus” . Todos os que quiserem governar bem e ser boas autoridades devem aprender bem e guardar na memória aquele cântico. Não lembro nada das Escrituras que sirva melhor para este caso do que o cântico sagrado da bendita Mãe de Deus. 

Para Lutero, é o que há de mais bonito na “Bendita Mãe de Deus”: a humildade, a solicitude e a confiança com que Ela se deixa conduzir no “Plano da Salvação”. Assim devem fazer, sobretudo, aqueles que governam, “pois devem aprender bem e guardar na memória o cântico de Maria”. E Lutero compreende isso por três motivos:

- é preciso exaltar os humildes,

- é preciso saciar os famintos,

- é preciso acolher seu povo.

Olhando, então, para a bem-aventurada Virgem, a quem, pelas mãos de Deus recebemos como “Mãe da Divina graça”, o autor acredita ser possível contribuir para a realização do Reino, “assim na terra, como no céu”. Para isso, basta um espírito capaz de interpretar, de forma proveitosa e profunda, o “Magnificat, o louvor de Maria”.Leia MaisO quê o Magnificat pode nos revelar sobre Maria?Estudo do Magnificat

No contexto brasileiro, o exercício do poder político está bem mais para uma absurda arbitrariedade do que para “serviço em favor das pessoas que estão confiadas ao que exerce poder”. Maria prenunciou o poder na forma de diaconia – “eu vim para servir e não para ser servido” (Mc 10,45). Aqui está a ética de Jesus – ética como prática – ética política. Essa é a atualidade do Magnificat de Lutero.

(Esse texto faz parte do livro “Magnificat: o cântico revolucionário de Maria, a mãe de Jesus” a ser editado pela editora Paulus.)

Mais em www.mariologiapopular.blogspot.com


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. José Grzywacz, C.Ss.R., em Palavra do Associado

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.