Por Pe. Brendan Coleman Mc Donald, CSsR Em Redentoristas

O sentido da Semana Santa

Na vastidão deste imenso Brasil haverá, nos próximos dias, um sentimento que irmana a maioria dos brasileiros. A Semana Santa, com suas cerimônias litúrgicas, faz brotar em toda parte um clima diverso do que habitualmente vivemos. A presença mais viva da Paixão de Cristo e o seu significado redentor provocam em milhões de brasileiros uma notável mudança de atitude neste período santo. Mais uma vez celebramos com reverência, respeito e amor a Semana Santa, a semana maior do calendário cristão.

Semana Santa

Esta semana vai desde o Domingo de Ramos no dia 9 de abril até o Domingo da Páscoa no dia 16 deste mês,e sem dúvida é um dos maiores tesouros do ano litúrgico, pois nela se realizaram e agora se repetem os maiores acontecimentos da História da Salvação. Seria lamentável, pois, reduzir a Semana Santa a um mero feriadão, com muitos jogos, muita praia e sol, quando estes dias deveriam ser aproveitados para uma participação maior nas celebrações litúrgicas nas igrejas e para refletir sobre os passos mais decisivos da jornada terrestre de Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

"Seria lamentável, pois, reduzir a Semana Santa a um mero feriadão, com muitos jogos, muita praia e sol, quando estes dias deveriam ser aproveitados para uma participação maior nas celebrações litúrgicas nas igrejas e para refletir sobre os passos mais decisivos da jornada terrestre de Nosso Senhor Jesus Cristo".

No Domingo de Ramos, com a entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém, nós fomos convidados para ver se realmente em nossas vidas estamos aclamando Cristo ou condenando-o. A Quinta-Feira Santa nos traz o impacto de um amor sem precedentes, externado na instituição da Eucaristia e no Lava-pés. A Sexta-Feira Santa recorda para os cristãos a paixão e morte brutal de Cristo.

As forças do mal mataram um homem que só fez o bem, algo que continua a acontecer hoje. O Plano de Salvação de Deus foi concretizado na morte de Jesus; por isso, nossa tristeza e desânimo durante o Sábado Santo, que é um dia de luto e de reflexão sobre o Cristo sepultado, cedem lugar aos cantos de alegria e de Aleluia na Vigília Pascal.

Agora é Domingo de Páscoa e estamos diante do milagre da gloriosa Ressurreição de Cristo. Sua morte e ressurreição trazem consigo a ideia de passagem e libertação. A passagem do amor sem limites que vence o poder do pecado e da morte; assim perdoa e liberta a consciência de suas falhas. A Páscoa do Senhor, como podemos ver no Antigo e Novo Testamento, embora incluindo uma libertação dos males físicos e mentais, não se limita a isso.

A Páscoa do Senhor realmente entra no santuário da consciência e exigem de nós compromissos de vários tipos. Compromissos pessoais com Deus refletidos em nossas vidas de cristãos. Compromissos de fé e de moral com a Lei de Deus, compromissos com a Igreja, compromissos com os irmãos mais pobres e marginalizados, compromissos com a caridade e a Lei do Amor Recíproco. Este ano, em sintonia com a Campanha da Fraternidade de 2017, há também compromissos em cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho.

 

"Basicamente podemos afirmar que a Páscoa é a passagem de Cristo por cada um de nós, por cada família, por nossa sociedade, para nos libertar do egoísmo, da falta de amor e das injustiças".

Basicamente podemos afirmar que a Páscoa é a passagem de Cristo por cada um de nós, por cada família, por nossa sociedade, para nos libertar do egoísmo, da falta de amor e das injustiças. Ressuscitado, Ele ganhou o título de Libertador porque teve a coragem de sofrer e de humilhar-se por nós. Enquanto nós não formos capazes de viver num espírito de genuína concórdia e fraternidade, enquanto não conseguirmos eliminar, ou pelo menos diminuir o egoísmo, o hedonismo, o espírito de competição desigual, o materialismo desenfreado e as injustiças, não haverá a paz, a alegria e a felicidade que todos nós almejamos.

A Páscoa é realmente a consciência de que Jesus Cristo está em nós e nós estamos Nele, e assim caminhamos, no desejo de construir um mundo melhor marchando para a Casa do Pai. Pelos desígnios misericordiosos deste mesmo Pai, Cristo nos salva e nos liberta. Ele exige de nós coragem para testemunhá-lo sem covardia e sem desânimo. Ele nos pede também solidariedade para compreendermos o sentido abrangente do amor fraterno e a dimensão social da consciência cristã. Morto numa cruz e sepultado, ressuscitou dos mortos. Sua ressurreição até hoje, e para sempre alimenta as esperanças de um mundo melhor e mais humano.

Pe. Brendan Coleman Mc Donald, CSsR
Vice-Província de Fortaleza

1 Comentário

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Anterior
Próximo
Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Pe. Brendan Coleman Mc Donald, CSsR, em Redentoristas

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.